Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Home Staging: Como dar nova vida a uma casa e torná-la habitável em apenas dois meses

Autor: Redação

Ensinar a aproveitar e valorizar ao máximo o potencial de cada espaço e tornar as casas mais atrativas é o objetivo desta rubrica do idealista/news Portugal, assegurada pela Home Staging Factory. Hoje mostramos como é possível dar uma nova vida a uma casa em pouco tempo, com custos reduzidos e... com a ajuda do elemento “fado”.

O desafio era grande. Estavam 11 apartamentos em fase final de obra em novembro de 2015 e tinham de estar totalmente mobilados, decorados e equipados em janeiro de 2016! Com as dificuldades acrescidas de ter o Natal e o Ano Novo pelo meio e os stocks das lojas a esgotar.

Em causa estavam obras de reabilitação num empreendimento em Lisboa que se destinava ao arrendamento de curta e média duração para o segmento médio-alto. Arregaçaram-se as mangas e mãos à obra para dar uma nova vida ao espaço, localizado no bairro das Olarias. Tudo começou pela análise do briefing do cliente:

1 – Os Objetivos

  • Criar um ambiente diferenciador e atrativo com vista a maximizar a rentabilidade do empreendimento 
  • Utilizar o “fado” como elemento de união com a zona envolvente
  • Conquistar um público de segmento médio alto e conseguir com um budget reduzido um “look&feel” com um design diferenciador e acolhedor

2 – O Desafio

  • Mobilar, decorar e equipar os apartamentos com vista a aumentar a atratividade e diferenciação dos apartamentos de forma a maximizar o seu rendimento
  • Criar uma identidade e personalidade forte capaz de destacar e fazer sobressair estes apartamentos nos websites onde irão ser expostos de forma a rentabilizar ao máximo o investimento
  • Contextualizar os apartamentos na sua localização, utilizando o elemento “Fado” e dar-lhes uma alma e carácter próprio deste bairro Lisboeta

Com base nas linhas orientadoras do projeto, a Home Staging Factory fez uma análise à zona envolvente e à génese do bairro das Olarias com vista a descobrir novos elementos que pudessem ser utilizados para responder ao briefing do cliente.

Sabendo que o fado era um tema importante, pretendia-se ainda assim utilizá-lo de forma diferenciada, já que muitos dos tradicionais ícones do Fado já são largamente utilizados em alojamento turístico.

Mais que criar uma decoração que expressasse os símbolos mais populares do fado acreditávamos ser mais atrativo e diferenciador criar um ambiente onde os turistas conseguissem verdadeiramente sentir Portugal, a Mouraria e as saudades e as emoções que o fado tão bem transmite.

Explorando a génese do nome Olarias descobrimos que as suas encostas foram em tempos férteis em argila, o que levou a muitos oleiros fixarem ali as suas olarias. A arte da Olaria era assim um elemento característico da zona que resgatavam a história da origem do bairro e que podia ser utilizado como elemento decorativo.

A identidade do projeto e o ambiente de decoração nasceu assim a partir da própria localização: as Olarias que ali se começaram a fixar no século XV e que deram origem ao nome atual.

A ideia central do projeto foi utilizar artesanato, marcas e design português e reutilizar alguns materiais existentes no local de forma a criar uma identidade e alma lusa sem cair no tradicional nem utilizando os ícones típicos de Lisboa.

Cada apartamento foi então mobilado e decorado com base na utilização de peças e materiais portugueses, com destaque para as olarias e utilizando o Fado como elemento inspirador e unificador.

Para reforçar a identidade portuguesa dos ambientes apostamos na colaboração com algumas marcas e designers portugueses para desenvolver os acessórios decorativos.

O âmbito do projeto

A intervenção baseou-se no conceito de valorização imobiliária “home staging”, que tem como objetivo a máxima rentabilização e valorização dos espaços, neste caso para efeitos de turismo.

A proposta assentou em fazer mais com menos e arranjar soluções diferenciadores a baixo custo, criando apartamentos “boutique hotel”.

O projeto foi desenvolvido em dois meses e integrou duas fases:

  • A primeira teve início logo após adjudicação e incluiu o desenvolvimento do projeto criativo, a pesquisa e seleção de materiais e fornecedores, a negociação de preços, a elaboração dos moodboards, a orçamentação e desenvolvimento dos guiões de produção.
  • A segunda teve início após a adjudicação dos orçamentos de decoração e produção e incluiu a procura e compra de todo o mobiliário, iluminação, acessórios decorativos, equipamentos de cozinha e têxteis, as encomendas, a contratação de transportes e montagens, a produção da decoração no local e o acompanhamento total dos trabalhos até à produção fotográfica final.