Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

A magia do Home Staging: estes truques ajudam (e muito) a valorizar a casa

Home Staging Factory
Home Staging Factory
Autor: Redação
O conceito de valorização imobiliária anda de mãos dadas com o de Home Staging. Na rubrica de hoje do idealista/news sobre Home Staging, assegurada pela Home Staging Factory, explicamos-te como podes – e porque deves – tornar a tua casa mais atrativa, potenciando o seu valor e rentabilizando-a. Afinal, ensinar a aproveitar e valorizar ao máximo o potencial de cada espaço e tornar os imóveis mais atrativos é o nosso objetivo.
 
Há precisamente seis anos era apresentado publicamente um conceito de marketing imobiliário inovador em Portugal, que ambicionava transformar o mercado imobiliário num mercado de sonhos!
 
Estávamos em 2011 e o quadro da atividade imobiliária era negro!
 
Existiam em Portugal mais de 400 mil imóveis à venda e estimava-se que seria necessário mais de cinco anos para escoar a oferta existente.  A quebra de vendas situava-se na ordem dos 30% e o tempo médio de venda era cerca de 18 meses. (fontes: Prime Yield consultora; Relatório Era Portugal, 2010).
 
As perspetivas eram pouco animadoras e o mercado precisava de um sonho.
 
Foi neste contexto que surgiu o projeto Home Staging Factory cujo objetivo era “ajudar quem vende, agradando a quem compra”, através da implementação do conceito Home Staging em Portugal.
 
 
O Home Staging é um conceito de valorização imobiliária, que nasceu nos EUA durante a crise imobiliária da década de 70, e serve para maximizar o potencial de um imóvel aumentando a sua rentabilidade.
 
Assenta em diversas técnicas que visam trabalhar o espaço de forma a seduzir o comprador.  Criar um ambiente neutro, claro, espaçoso e acolhedor é essencial para levar o potencial cliente a imaginar-se a viver no espaço. O termo significa literalmente “pôr a casa no palco”, ou seja valorizá-la, realçá-la, evidenciando os seus trunfos, de forma a maximizar o seu potencial tornando-a assim mais interessante para o mercado.
 
 
O objetivo é diferenciar o imóvel e torná-lo mais atrativo de forma a potenciar o valor e a rapidez da sua comercialização – maximizar o resultado final com o mínimo de investimento. Quando um imóvel tem muita procura e não tem defeitos a apontar não há razões para negociar, logo consegue-se vender ao melhor preço e mais rapidamente.
 
Como o foco está na rentabilização dos imóveis utilizam-se de preferência soluções criativas, simples, práticas, económicas e rápidas de executar.
 
O Home Staging assenta em alguns princípios básicos, dos quais se destacam:
  1. “DESTRALHAR” – Minimizar é a palavra de ordem, organizar, criar espaço, aumentar a circulação e melhorar a visualização do espaço, partindo da premissa de que o caos repulsa, a ordem atrai. A organização do mobiliário é o ponto mais importante na valorização do espaço. Colocar o mobiliário no sítio certo e com as medidas corretas é fundamental. 
  2. LIMPAR e REPARAR – A casa deve estar imaculadamente limpa e tudo deve estar em perfeitas condições de funcionamento. Deve-se evitar que o cliente se foque nos aspetos negativos da casa: janelas que não abrem, torneiras que pingam. Deve-se eliminar todos os argumentos de rejeição ou negociação do potencial cliente.
  3. NEUTRALIZAR – Despersonalizar o espaço e neutralizar o ambiente dando-lhe um ar atualizado e leve. Usar uma decoração neutra ajuda o cliente a identificar-se com o espaço. 
  4. VALORIZAR e FOTOGRAFAR – O ponto onde o Home Staging se encontra com a decoração. Valorizar o espaço, torná-lo acolhedor, apaixonante. A iluminação faz milagres, valoriza recantos e o ambiente em geral. Depois do espaço valorizado é fundamental uma boa sessão fotográfica. As fotografias são o primeiro e mais forte instrumento de venda. Uma boa luz e bons ângulos levam o cliente a olhar para a casa de outra maneira  e a marcar uma visita. 
Mais que uma tendência, acreditamos que o Home Staging é um instrumento básico e traduz a evolução natural do mercado. É uma questão de necessidade e de resposta às expetativas dos compradores. Quando no mercado temos produtos bons e bem apresentados e outros desinteressantes e mal trabalhados quais nos conquistam?
 
 
Na verdade, o marketing e o branding são utilizados até nos produtos mais básicos, como uma garrafa de água ou um simples bloco de notas.
 
O design e a apresentação de qualquer produto é fundamental para criar o link emocional que leva à sua compra. Nos produtos de maior valor, o comportamento não é diferente. O que nos leva a pagar mais do dobro por um produto que em termos de qualidade intrínseca fica aquém de outro, mas cujo design não é tão apaixonante?
 
 
E o que acontece quando se trata da nossa própria casa? Há alguém que ainda acredita que a compra de casa é uma compra racional?
 
A compra de casa é uma decisão muito mais emocional do que se julga. Na maioria dos casos um imóvel vende-se nos primeiros minutos da visita. Mas para isso, é preciso que apaixone ao primeiro olhar.
 
 
Será que ao ver as fotografias da esquerda decidias ir ver estas casas? E se te mostrassem as fotografias da direita?
 
 
Aceita o desafio e descobre as semelhanças!