Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Plantas Pet-Friendly: as espécies mais indicadas para quem tem animais em casa

Se és novo no mundo das plantas e tens a sorte de partilhar a tua casa com animais de estimação, deves ter alguns cuidados.

Curae
Curae
Autor: Redação

A toxicidade das plantas existe, sendo um processo químico que ocorre naturalmente como forma de defesa, nomeadamente contra herbívoros. E é nessa circunstância apenas, de ingestão da planta, que animais e pessoas podem ficar doentes. Mas os animais são inteligentes, e fora das nossas casas convivem com outros seres vivos e plantas, adaptando-se e evitando aquilo que lhes faz mal. Contudo, não podemos desconsiderar os animais de estimação que gostam de roer as plantas e/ou escavar a terra.

Neste artigo preparado para o idealista/news, a Curae defende que existe espaço para todos, sendo possível coexistir mesmo com as diferenças de cada um, acreditando nos inúmeros  benefícios de cuidarmos uns dos outros: pessoas, plantas e animais. Para isso, precisamos de tomar alguns cuidados. 

Curae
Curae

Na dúvida, começar por plantas pet-friendly

Se és novo no mundo das plantas e tens a sorte de partilhar a tua casa com animais de estimação, aconselhamos-te a começar por plantas pet-friendly, pesquisando previamente quais as espécies não-tóxicas, um trabalho simplificado pela lista da ASPCA.

É o caso das peperomias, dos fetos e das palms (que podes encontrar aqui). É também o caso das plantas aéreas, das orquídeas e das calatheas, embora estas últimas sejam menos fáceis de cuidar e desaconselháveis para "new plant parents". 

Quanto mais fores aprendendo sobre plantas, mais conscientes serão as tuas escolhas sobre o que resulta ou não na tua casa e para aqueles que nela habitam.

Curae
Curae

Estimular e educar para a inclusão e diversidade

Assim como defendemos que as plantas precisam de ser ouvidas, que precisamos de compreender a sua linguagem, também o defendemos com os animais. Geralmente, cães e gatos procuram as plantas porque se sentem pouco estimulados, aborrecidos, e procuram chamar a nossa atenção. Podem também estar a precisar de mais atividade física.

Curae
Curae

Considera adicionar uma nova caminhada à vossa rotina. Ao trazer uma nova planta para a tua família, experimenta oferecer um brinquedo aos teus animais. Recompensa o bom comportamento com "pet treats". O natural é que os animais se venham a desinteressar pelas plantas se tiverem algo que os estimule, passando a vê-las como amigas em vez de brinquedos.

Procurar dificultar o acesso dos animais às plantas

Cobre a terra dos vasos com lascas de madeira ou pedras decorativas seguras para animais, de forma a evitar que consigam escavar e danificar as raízes da planta. Coloca as plantas em lugares menos acessíveis, como cestos pendurados na parede, topos de móveis ou prateleiras.

Algumas receitas DIY caseiras também funcionam. Os animais tendem a ser repelidos pelo cheiro de frutas cítricas, por exemplo - experimenta borrifar as plantas com água e sumo de limão e colocar casca de citrinos nos vasos.

Curae
Curae

Aos poucos, experimentar introduzir outro tipo de plantas

Ao introduzir plantas que não são pet-friendly, experimenta dispô-las primeiro nos lugares menos acessíveis mencionados anteriormente. Ao notares que os teus animais não as procuram, poderás experimentar outros locais.

Se o(s) teu(s) patudos demonstram interesse numa planta em particular, considera colocá-la num lugar de difícil acesso, especialmente se não puderes supervisionar a sua interação.

As plantas e os animais aprendem a coexistir e são mútuos os benefícios da sua interação. Na Curae temos 4 cães e 2 gatos que coexistem num verdadeiro jardim interior com mais de 100 plantas.

Concluindo: é possível co-existirmos, devemos experimentá-lo (com segurança) e, no final, será muito compensador e gratificante.