Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Marketplace da Fnac começa a vender produtos de Casa e Decoração

Pandemia levou plataforma de vendas online a lançar nova categoria. Em termos gerais, as vendas deste agregador de marcas mais que duplicaram no último ano.

Photo by Tony Lee on Unsplash
Photo by Tony Lee on Unsplash
Autor: Redação

Com os portugueses fechados em casa, o marketplace da Fnac arranca agora com nova categoria: casa e decoração. Em termos globais, esta plataforma agregadora de marcas está a registar um aumento da procura durante o novo 'lockdown' geral, ditado pela pandemia da Covid-19. Do total, estão ali a vender 400 retalhistas nacionais, que representam já cerca de um terço das vendas da plataforma que, no ano passado, empurrado pelo boom do comércio online viu as encomendas mais do que duplicarem.

Sobre o lançamento da nova categoria de Casa e Decoração, Paula Alves, diretora de ecommerce da Fnac Portugal, revela "temos já mais de 15.000 as referências disponíveis, totalmente assentes na oferta dos nossos e-sellers, que vão desde o colchão à cama, passando pelas cabines de duche, sofás, candeeiros, com marcas de referência no mercado como Colchão Emma, Levira Home & Office, Lourini, vidaXL, Good Living Decor, entre outras. Dos 100 e-sellers que temos como parceiros para disponibilizar estas categorias, mais de metade são nacionais".

Citada pelo Dinheiro Vivo, a responsável explica que "temos vindo a trabalhar a categoria Grandes Eletrodomésticos desde o lançamento do marketplace Fnac, em 2013. No entanto, sabemos que a FNAC ainda não está no top of mind do consumidor português quando surge a necessidade de trocar de máquina de lavar roupa ou frigorífico apesar de termos a 'loja' com mais referências do mercado português - mais de 6000", dando nota de que "por isso, queremos dar cada vez mais destaque a esta categoria na nossa comunicação, com campanhas dedicadas".

O objetivo para 2021 "é consolidar as categorias de diversificação, afirmando-nos como players de referência das mesmas e continuando atentos às tendências, quer de mercado, quer de pesquisa e necessidade dos nossos clientes", indica Paula Alves ao mesmo meio, dizendo que "exemplo disso é a área de Bricolage, Jardim e Animais de Estimação que preparámos e estruturámos ainda durante o período de confinamento de 2020 e que lançámos em julho passado, para acompanhar os nossos clientes que se viram mais limitados nas suas saídas de casa".

Questionada pelo DV a propósito dos efeitos da pandemia no negócio, atualmente e no futuro, a gestora declarou que "acreditamos que o digital continuará a crescer pois há novas gerações que vão entrar no mercado de consumo já muito habituadas a comprar à distância. Neste novo lockdown, a Fnac mantém as suas lojas abertas e reforçou o nosso serviço "Liga e Encomenda" que permite aos clientes contactarem-nos para que os possamos ajudar no processo de compra".