Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Curiosidade da semana: Quando Lisboa vira um museu aberto de arte urbana - que nada tem a ver com rabiscos

Autor: Redação

Nem sempre é dentro de portas que se encontram museus e obras de arte. Às vezes a pintura sai para a rua e enche paredes. É o que está a acontecer em Lisboa desde 2013, com várias zonas da capital - como a faixa que junta Marvila ao Cais do Sodré - a encherem-se de arte urbana. 

E a galeria Underdogs, que abriu pela mão de Pauline Foessel e Alexandre Farto, conhecido como Vhils, percebeu que já era tempo de organizar um percurso para mostrar estas obras em forma de exposição coletiva.

Depois de uma série de exposições que já trouxeram nomes como Cyrcle e How & Nosm a pintarem fachadas em zonas como Alcântara e Campolide, a galeria acaba de reuni-las num percurso guiado onde se revelam segredos e detalhes de cada trabalho, tal como escreve o Observador.

O ponto de partida acontece na loja de arte do Mercado da Ribeira, no Cais do Sodré, e segue para o Jardim do Tabaco, onde está um dos trabalhos mais mediáticos de todas as intervenções da galeria: uma colaboração entre o próprio Vhils e o italiano Pixel Pancho, conhecido por desenhar robots enferrujados ou mesmo em decomposição, numa espécie de futuro passado.

Estas obras não têm nada de rabiscos desordenados e são antes o resultado de um processo demorado de licenças da Câmara Municipal de Lisboa, pareceres de arquitetos e muito sobe e desce de gruas.

Diferentes materiais, linguagens e técnicas são mostrados ao longo de cerca de três horas, com obras que passam por artistas brasileiros, como Finok e Nunca, franceses, como Olivier Kosta-Théfaine, alemães, como Clemens Behr, e portugueses, como Mais Menos e AkaCorleone, e que incluem uma paragem para conhecer a própria galeria e ver três curtos vídeos sobre as exposições, os prints e o trabalho na rua, segundo relata ainda o jornal online.

As visitas acontecem aos sábados à tarde, por marcação e mediante um mínimo de sete inscrições (e um máximo de 15), num mini-autocarro e com um custo de 35 euros por pessoa.