Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Internacional

Que empresas se destacaram em 2021 no mundo?

Notícia sobre:

Preço das casas na Austrália sobe 22% - o maior aumento em 30 anos

Os preços das casas australianas subiram 22,1% em 2021, o maior aumento desde o final da década de 1980, devido às baixas taxas de juro e à forte procura. "Nos últimos meses de 2021, os valores da habitação registaram o ritmo de crescimento anual mais rápido desde o final dos anos 80, numa altura em que os salários e os rendimentos das famílias estavam em alta", revela um estudo da consultoria CoreLogic.

Notícia sobre:

Londrinos gastaram mais de 65 milhões a comprar casas fora da cidade

O mercado residencial no Reino Unido vive um boom após o pior momento da pandemia, mas marcado por mudanças nas preferências na compra de casas, principalmente em Londres, onde se procura mais espaço para viver. De acordo com a agência imobiliária Hamptons, os londrinos gastaram 55 milhões de libras, cerca de 65 milhões de euros, em mais de 112.000 propriedades fora da capital britânica.

Notícia sobre:

Complexo construído pela Evergrande na China vai ser demolido

O grupo de imobiliário Evergrande, que tem um passivo equivalente a 275 mil milhões de euros, anunciou esta terça-feira (4 de janeiro de 2022) que recebeu ordem para demolir um complexo de 39 prédios, num novo golpe para as finanças da empresa chinesa.

Notícia sobre:
Arrendar casa por 1 euro em Ollolai

Arrendar casa por 1 euro em Ollolai (também) já é possível

A iniciativa casas por 1 euro entra numa nova fase de desenvolvimento para devolver a população às áreas rurais e reabilitar casas antigas. Na pequena povoação de Ollolai, na Sardenha, as primeiras rendas são oferecidas a um preço simbólico tanto para casas como para estabelecimentos comerciais. Inicialmente, serão disponibilizadas 30 casas e 20 espaços de comércio.

Notícia sobre:

Evergrande volta a suspender operações na bolsa de Hong Kong

O grupo imobiliário chinês endividado Evergrande suspendeu esta segunda-feira, dia 3 de janeiro de 2022, as operações na Bolsa de Hong Kong sem dar explicações, relata o portal chinês Sina.

Notícia sobre: