Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Economia

Covid-19: documentos expirados a partir de fevereiro são válidos até 30 de outubro de 2020

O Governo decretou, devido à pandemia da Covid-19, e para evitar que os cidadãos tenham de se deslocar aos espaços dos organismos e serviços públicos, que os documentos expirados depois de 24 de fevereiro são válidos até 30 de outubro de 2020, para todos os efeitos legais. 

Notícia sobre:

Importação de carros elétricos e híbridos na UE sobe em flecha em 2019

Em 2019, os países da União Europeia (UE) importaram carros elétricos e híbridos no valor de 7,1 mil milhões de euros, três vezes mais (+208%) que no ano anterior, quando as importações deste tipo de veículos rondaram 2,3 mil milhões de euros, revelou o Eurostat. 

Notícia sobre:

Quanto se ganha no Banco de Portugal?

Depois de dez anos à frente dos destinos do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa cedeu o lugar de governador a Mário Centeno, ex-ministro das Finanças. O vencimento de Centeno vai, desta forma, aumentar, sendo que estão em causa mais de 10.000 euros por mês – passará a auferir 16.962,82 euros por mês.

Notícia sobre:

Governo quer Banco de Fomento a funcionar no final do ano

Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, quer o Banco Português de Fomento (BPF) a funcionar no final do ano, depois da sua criação ter sido aprovada pela Comissão Europeia. “O nosso objetivo é termos o Banco de Fomento plenamente operacional no final do ano, e para ser um protagonista daquilo que vão ser as necessidades muito importantes de financiamento que vamos ter durante o próximo ano, para apoiar um processo de retoma que queremos muito vigoroso”, refere o responsável.

Notícia sobre:

Empresas portuguesas apostam forte na Investigação & Desenvolvimento (I&D)

A despesa em Investigação & Desenvolvimento (I&D) declarada pelas empresas durante o ano fiscal de 2019 disparou face ao ano anterior, tendo aumentado cerca de 50%: passou de 782 milhões de euros em 2018 para 1.168 milhões de euros no ano passado. Em causa estão dados revelados pelo Governo.

Notícia sobre:

Pós lay-off: empresas podem pedir incentivo à normalização a partir de hoje

As empresas que tenham beneficiado do regime de lay-off simplificado e que tenham condições para retomar a sua atividade podem, a partir desta terça-feira (4 de agosto de 2020, apresentar o requerimento para acesso ao incentivo extraordinário à normalização da atividade empresarial. O requerimento deve ser feito através do portal online do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Notícia sobre:

Em que países as pessoas gastam mais tempo nas refeições? Portugal está no Top 10

Quando um grupo de amigos sai para almoçar ou jantar (ou até mesmo nas refeições de família) há sempre alguém que demora mais tempo a comer e beber. Em muitos países, reservar algum tempo para as refeições é bastante normal, segundo dados da OCDE. As pessoas em França, por exemplo, tendem a gastar mais tempo a comer e beber por dia, demorando, em média, 2 horas e 13 minutos. Os vizinhos italianos e espanhóis não ficam muito atrás, com uma média de mais de duas horas por dia. Portugal também está no Top 10, e aparece no sexto lugar do ranking: em território luso as pessoas gastam, em média, 1 horas e 47 minutos. 

Notícia sobre:

Economia afunda 16,5% no segundo trimestre: é a maior queda de sempre do PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) português caiu 16,5% no segundo trimestre de 2020 face ao mesmo período de 2019, tendo também contraído 14,1% em cadeia, ou seja, face aos primeiros três meses do ano. Trata-se, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), da maior queda do PIB desde que há registo oficial, sendo que a anterior maior remonta ao quarto trimestre de 2012, quando a economia portuguesa contraiu 4,5%.

Notícia sobre:

Governo aprova estratégia do hidrogénio: preço para consumidores deverá equivaler a gás natural

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira, 30 de julho, a Estratégia Nacional para o Hidrogénio. A estratégia prevê um investimento de sete mil milhões de euros e pretende representar 5% no consumo final de energia em 2030. O hidrogénio deverá, de resto, ter um preço semelhante ao do gás natural.

Notícia sobre: