Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Fiscalidade

Fatura da luz vai subir em 2019

Os consumidores que permaneçam no mercado regulado, ou que tenham optado por tarifa equiparada, deverão ver os preços da eletricidade aumentar 0,1% a partir de 1 de janeiro de 2019. A subida traduz-se num acréscimo médio de 5 cêntimos na fatura  mensal das famílias, segundo a proposta de atualização das tarifas da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

Notícia sobre:

Seis maiores bancos têm 5,5 mil milhões de euros de imóveis para vender

Os bancos portugueses ainda estão a tentar escoar o “stock” de imóveis que têm em carteira, a maioria deles proveniente de famílias que entraram em incumprimento. No final de junho, Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP, Novo Banco, Santander Totta, BPI e Montepio Geral — os seis maiores bancos nacionais – tinham imóveis avaliados em mais de 5,5 mil milhões de euros.

Notícia sobre:

Imobiliário dá bónus fiscal de mais mil milhões ao Estado e autarquias

O imobiliário está a engordar os cofres municipais por via do IMT e do IMI, mas também o Estado está a ganhar. O IRS sobre as rendas e o IRC pago por empresas do setor dispararam quase 80% entre 2014 e 2018. No total,irão receber cerca de 3,3 mil milhões de euros - mais mil milhões que há quatro anos.

Notícia sobre:

Receitas de Lisboa com IMT subiram mais de 250% desde a crise

O dinamismo que o setor imobiliário vive no país, e sobretudo em Lisboa, está a ajudar a engordar as contas das autarquias. No ano passado, a receita total do IMT atingiu 853,4 milhões de euros, um acréscimo de 30,2%, tendo havido 12 municípios onde este imposto subiu acima de 50%. Mas foi a câmara da capital que mais arrecadou: 224,5 milhões só em 2017.

Notícia sobre:

IMI acima de 100 euros poderá ser pago em três prestações em 2019

Quem paga mais de 100 euros de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) passará a poder liquidá-lo em três prestações em 2019. Quer isto dizer que o Governo propõe reduzir de 250 para 100 euros o montante que tem de ser saldado de uma só vez. A cobrança acontecerá também mais tarde, em maio em vez de abril.

Notícia sobre:

Trabalhas a recibos verdes? Novo simulador ajuda-te a calcular descontos

Quem trabalha a recibos verdes vai poder calcular, através de um simulador, quanto vai ter de descontar para a Segurança Social. A Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) disponibilizou uma ferramenta que permite calcular valor dos descontos segundo o novo regime, que entrará em vigor em janeiro de 2019.

Notícia sobre:

Herdeiros que falharam declaração ao Fisco têm de pagar AIMI até domingo, mas podem “reclamar”

Os titulares das heranças indivisas tinham de dizer ao Fisco como queriam ser tributados no AIMI. Quem falhou essa declaração nas datas previstas (março e abril) pode entregá-la entre outubro e janeiro. Mas primeiro terá de pagar o imposto – até domingo -, e só depois “ajustar” contas com as Finanças. Há um prazo de 120 dias para tentar anular o imposto.

Notícia sobre:

Estás a recibos verdes? Tudo sobre o que vai mudar nos descontos

Os serviços da Segurança Social começaram a enviar cartas aos trabalhadores independentes, em junho, alertando-os para as novas regras sobre o pagamento das contribuições. As mudanças entraram em vigor este ano, mas só devem chegar no início de 2019. Tens dúvidas sobre o que muda? Explicamos-te tudo.

Notícia sobre:

IRS diferentes consoante tempo entre compra e venda dos imóveis: a proposta do PSD

Inspirado em outros países europeus - como França, Alemanha, Bélgica ou Itália - e à boleia da iniciativa do Bloco de Esquerda para que seja criada uma taxa sobre a "especulação imobiliária", o PSD veio fazer uma nova proposta que já está a agitar os ânimos, entre polítícos e no mercado imobiliário. Rui Rio defende que seja aplicada uma taxa do IRS sobre mais-valias diferenciada em função do número de anos entre a compra e a venda de imóveis.

Notícia sobre:

Especulação na "taxa Robles": Costa diz que "já existe"; Bloco garante que "há negociações com Governo"

Depois do AIMI ter incendiado os ânimos no ano passado, agora é a vez da chamada "taxa Robles" estar a aquecer o panorama político por causa da fiscalidade no setor imobiliário. Em causa está uma iniciativa do Bloco de Esquerda (BE), que visa travar a "especulação imobiliária". O primeiro-ministro, António Costa, diz que não entende a proposta, afirmando que ""repete o imposto de mais valias que já existe". A líder do Bloco, Catarina Martins, garante que continua a negociar com o Governo no âmbito do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019).

Notícia sobre: