Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mercado laboral

Imobiliário ao rubro: emprego no setor duplicou em três anos

Há cada vez mais pessoas a trabalhar no setor imobiliário português. Os números dispararam nos últimos três anos, tendo atingido um máximo desde 2011. Havia 35.700 empregos no setor no final de junho, quase o dobro do que se registava no mesmo período de 2015, ano em que o imobiliário começou a recuperar da crise.

Notícia sobre:

Contratos precários voltam a subir e já superam valores da crise

A precariedade continua a assombrar o mercado de trabalho português. A percentagem de contratos precários situou-se no segundo trimestre nos 22,1%. Trata-se de um valor superior àquele que foi registado no auge da crise, em 2013, altura em que o peso destes contratos oscilou entre os 21,1% e os 21,7%, em termos trimestrais.

Notícia sobre:

Taxa de desemprego desceu para 6,7%, o valor mais baixo dos últimos 14 anos

A taxa de desemprego desceu para 6,7% no segundo trimestre do ano, “correspondendo ao valor mais baixo da série iniciada no primeiro trimestre de 2011”, segundo o INE. É preciso, no entanto, recuar até 2004 para encontrar uma taxa mais baixa que esta: 6,3% 

Notícia sobre:

Aumentos nas reformas mais baixas chegam a 1,59 milhões de pensionistas esta semana

O aumento extraordinário nas pensões mais baixas de invalidez, de velhice e de sobrevivência do regime geral da Segurança Social e da função pública chega esta semana a 1,59 milhões de reformados: é uma subida de seis ou dez euros para pensões até 643,35 euros.

Notícia sobre:

Queda no desemprego pode dar folga de 230 milhões no Orçamento do Estado

A taxa de desemprego em Portugal tem vindo a descer ao longo dos últimos meses – em maio, ficou-se nos 7%, atingindo o valor mais baixo desde outubro de 2002. Se esta tendência se mantiver, e se taxa média anual ficar nos 7%, ao invés dos 7,6% esperados pelo Governo, o Orçamento do Estado poderá ganhar uma folga de 230 milhões de euros.

Notícia sobre:

Portugal com a segunda maior descida na taxa de desemprego da Europa

Portugal foi um dos países da Europa a 28 que mais viu descer a taxa de desemprego. Segundo dados revelados pelo Eurostat, num ano, em junho deste ano face ao período homólogo, a taxa de desemprego baixou de 9,1% para 6,7%. Só Chipre consegue um desempenho melhor, com uma descida anual de 11% para 8,2%.

Notícia sobre:

Há em Portugal recém-licenciados a ganhar 50.000 euros por ano (3.571 euros por mês)

Portugal é um país de contrastes, pelo menos no que diz respeito ao mercado laboral e à remuneração dos trabalhadores. Num país em que 1,3 milhões de pessoas ganham entre 600 e 900 euros, há profissões onde um recém-licenciado em início de carreira pode auferir cerca de 50.000 euros brutos anuais (3.571 euros por mês). Em causa estão delegados hospitalares, na indústria farmacêutica.

Notícia sobre:

Taxa de desemprego volta a descer e está em 7%, o valor mais baixo desde 2002

A taxa de desemprego em Portugal desceu em maio para 7%, menos 0,1% que no mês anterior e menos 2,2% que no período homólogo. Trata-se do valor mais baixo desde outubro de 2002. E a tendência deve manter-se, já que a estimativa provisória do Instituto Nacional de Estatística (INE) aponta para uma nova descida em junho, para para 6,7%.

Notícia sobre:

Salário mínimo pago em 40% dos novos contratos - seja no privado ou no Estado

São perto de 765 mil os trabalhadores que em Portugal ganham uma remuneração mensal igual ao salário mínimo nacional (SMN), sendo que dos quase 290 mil novos contratos firmados no primeiro trimestre, tanto no setor privado como no setor empresarial do Estado, 40,5% pagavam este valor: 580 euros mensais. 

Notícia sobre:

Funcionários públicos portugueses são dos mais mal pagos da UE

Os funcionários públicos em Portugal ganham, em média, 1.396 euros por mês, cerca de metade do que se aufere na Europa. Em causa estão dados do Eurostat, que permitem concluir que em Portugal 15% dos cidadãos empregados eram funcionários públicos, um valor inferior ao da média comunitária, que era de 16% em 2016.

Notícia sobre: