Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Visita guiada pelo museu subaquático na Grande Barreira de Coral da Austrália

A inauguração do museu estava prevista para abril deste ano, mas a crise causada pela pandemia de coronavírus atrasou a sua abertura oficial.

Museu de Arte Subaquática (MOUA)
Haverá 20 esculturas submersas / Matt Curnock/MOUA
Autor: Redação

O Museu de Arte Subaquática (MOUA), na Grande Barreira de Coral da Austrália, nas águas da costa de Townville, em Queensland, foi oficialmente inaugurado. As peças são obra do escultor e ambientalista Jason DeCaires Taylor, que pretende com este trabalho lançar o debate público sobre as políticas ambientais, sobre os riscos do aumento gradual da temperatura da água nos oceanos, a poluição e a ameaça aos ecossistemas, destacando uma das maiores maravilhas naturais do mundo: a grande barreira de corais. 

A inauguração estava prevista para abril deste ano, mas a crise causada pela pandemia de coronavírus atrasou a sua abertura oficial. Este é o primeiro e único museu subaquático do Hemisfério Sul. Na vizinha Espanha, podemos encontrar um museu com essas características em Lanzarote, com obras de Jason Decaires Taylor, que se tornou um verdadeiro especialista na matéria. O artista tem outros trabalhos subaquáticos em Cancun (México).

A única peça vísivel será a "Ocean Siren", uma escultura movida a energia solar de uma jovem indígena que muda de cor como um sinal de alerta para o aquecimento global, usando dados sobre a temperatura da água provenientes do Instituto Australiano de Ciências Marinhas, alertando simultaneaente os navios e mergulhadores sobre a presença daquele museu. Sob as águas estão as obras de arte, um conjunto de vinte esculturas que se encherão de corais ao longo do tempo para atrair nova vida marinha à grande barreira.

"O nosso objetivo é criar uma atração de arte global que conte as histórias da terra, das pessoas e do meio ambiente e que ofereça um benefício significativo para a economia local", lê-se na página do museu. Uma MOUA pretende ser, portanto, uma grande atração turística, um motor económico,  um gerador de empregos e centro de ciência e pesquisa marinha, que atuará em prol da conservação, restauração e educação para a proteção dos recifes a uma escala global.