Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Portugal é o 7º país do mundo onde melhor se fala inglês

Em causa estão os dados do relatório EF English Proficiency Index (EF EPI) , que analisa dados de 2,2 milhões de falantes não nativos de inglês, em 100 países e regiões.

EF
EF
Autor: Redação

Portugal é o sétimo país do mundo com melhor proficiência em inglês, de acordo com o relatório EF English Proficiency Index (EF EPI) , que analisa dados de 2,2 milhões de falantes não nativos de inglês, em 100 países e regiões. Num ranking liderado pela Holanda, Portugal surge ainda atrás da Dinamarca (2.º), Finlândia (3.º), Suécia (4.º), Noruega (5.º) e Áustria (6.º).

Este é o melhor registo de sempre de Portugal neste ranking, depois de no ano passado ter entrado pela primeira vez no estrito grupo de países com “elevada proficiência” em inglês. O Porto é, pelo segundo ano consecutivo, a cidade portuguesa onde melhor se fala este idioma. Coimbra (2.º) e Braga (3.º) fecham o pódio nacional. Lisboa, que arrecadou o prémio há dois anos, não foi além do 4.º lugar este ano.

O EF EPI tem por base os resultados do EF Standard English Test (EF SET), o primeiro teste de inglês padronizado gratuito do mundo. O EF SET tem sido utilizado em todo o mundo por milhares de escolas, empresas e governos para testes em larga escala.

Mulheres falam melhor inglês 

O estudo – que avaliou o inglês de mais de 2,2 milhões de pessoas - conclui que a nível mundial as mulheres falam inglês melhor do que os homens, apesar da disparidade ser cada vez menos evidente relativamente a edições passadas do EF EPI.

Em Portugal, e tal como já se tinha registado o ano passado, os homens conseguiram obter melhor classificação dos que as mulheres. Ainda assim, as mulheres portuguesas também atingem este ano um nível “muito elevado” de inglês (61,3 pontos), um valor bastante superior à média dos homens de todo o mundo (49,8 pontos).

Os jovens portugueses entre os 21 e os 25 anos continuam a ser os que levam melhor nota no EPI – um relatório que mostra uma correlação entre a fluência em inglês e o poder de compra, qualidade de vida, inovação e um conjunto de outros indicadores sócio-económicos.