Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Resort da Quinta do Brinçal à venda por 19,4 milhões de euros

Abandonados.pt
Abandonados.pt
Autor: Redação

Localizada nos arredores de Rio Maior, no Ribatejo, a Quinta do Brinçal - onde está inserido o complexo turístico e imobiliário “Golden Eagle Residence & Golf Resort” -  está agora à venda por 19,4 milhões de euros. Este ativo imobiliário chega ao mercado na sequência da insolvência do Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado Golden Eagle e a abertura das propostas de compra está marcada para o dia 18 de janeiro de 2019, em Sintra -  na presença da comissão de credores. 

Citando um anúncio recentemente publicado no jornal Público, o Diário Imobiliário  escreve que os bens imóveis em venda abrangem uma área de 533 hectares, onde se incluem os 90 hectares onde deveria ter sido ser implantado o projecto Golden Eagle Residence & Golf Resort.

O campo de golf, tal como aponta a publicação, chegou a ser considerado “um dos campos portugueses mais fascinantes e competitivos, com 6,623 metros, 9 lagos e 87 bunkers", tendo sido "inaugurado em 1994 pelo então proprietário Ricardo Cardoso, mentor do projeto". O campo foi desenhado pelo arquitecto norte-americano Rocky Roquemore, uma das personalidades mais marcantes da arquitetura de campos de golf a nível mundial.

A história do mega projeto que falhou

O Grupo Amorim chegou a associar-se ao projeto, mas acabou por o abandonar embora tivesse ficado ligado ao mesmo por via de créditos concedidos pelo então banco do grupo que mais tarde transitaram para o Banco Popular e que acabaram por ir parar, com a aquisição deste, ao Banco Santander, acrescenta o DI.

A propriedade viria a ser adquirida anos mais tarde pela Carmin Global Real Estate que ali pretendia criar uma verdadeira cidade, com cerca de 1600 habitações, colégio internacional, infantário, dois campos de golfe, dois hotéis, residências assistidas para seniores e centro de estágios de futebol.

Mas este projeto, conclui o meio, não passou do papel dado que a Carmin também desapareceu no auge da crise económica e do imobiliário que atingiu o país depois de 2007.