Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Hard Club no Porto falido e cobiçado pelo Grupo Ferreira - mas Kalú e sócios não se entendem

Sala de espetáculos, com baterista dos Xutos & Pontapés como sócio-gerente, despertou apetite de imobiliária. CGD é principal credor e vê negócio com bons olhos.

Mercado Ferreira Borges no Porto. / Wikipedia
Mercado Ferreira Borges no Porto. / Wikipedia
Autor: Redação

Perto da insolvência, o Hard Club vive momentos difíceis que podem comprometer a sua viabilidade. A sala de espetáculos, localizada no Mercado Ferreira Borges do Porto, tem em curso um Processo Especial de Revitalização (PER) para tirar a empresa do buraco financeiro em que se encontra, mas as divergências entre os quatro sócios - Kalú, baterista dos Xutos & Pontapés é sócio-gerente - têm dificultado o processo.

O interesse por parte do Grupo Ferreira em entrar como investidor está na base dos conflitos, tal como conta o Jornal de Negócios.

A empresa aderiu ao PER com uma dívida de 5,348 milhões de euros, sendo mais de 80% do total junto de entidades estatais – 2,8 milhões à CGD, 1,56 milhões à Turismo de Portugal, 59,6 mil euros à Câmara do Porto, 13,3 mil euros à Segurança Social e 1,6 mil euros ao Fisco. O diário escreve que o plano de recuperação do Hard Club passa por um perdão substancial da dívida, com a CGD a aprovar a entrada do investidor Ferreira.

"O Hard Club encontra-se perto da insolvência por via de uma gerência negligente que, desde que ocupou a posição em maio de 2017, conduziu a empresa, alegadamente de forma deliberada, à instauração de um PER que pode ditar o seu encerramento a fim de ser adquirido, desvalorizado e descredibilizado, por um grupo de construção civil – o Grupo Ferreira (GFH)", acusa Pedro Lopes, detentor de 45% do capital da empresa, citado pelo jornal.

Há vários anos que o Grupo Ferreira tem vindo a tentar comprar a maioria do capital da empresa, chegando até a firmar contratos promessa de cessão de quotas com José Pedro Pereira e Vítor Costa, que detêm 22,5% cada do Hard Club. Mas Pedro Lopes, acrescenta o diário, não aceitou a oferta da imobiliária, alegando que o objetivo desta passa por "desnatar o objeto de contrato, transformando as salas de espetáculos em salas de jantar para o fluxo turístico que se intensifica de dia para dia" na cidade do Porto.

O universo Ferreira

A sede da Liga de Clubes, o novo pavilhão do Sporting, as mais recentes instalações da Rádio Renascença e o edifício do terminal de cruzeiros do porto de Leixões fazem parte do portefólio do Grupo Ferreira, da "holding" GFH.

Com sede no Porto e liderado por Gaspar Ferreira, o Negócios detalha que este grupo tem em fase de desenvolvimento, na portuense Avenida dos Aliados, projetos como a renovação do edifício Axa numa unidade hoteleira de cinco estrelas da cadeia Eurostars, e a transformação do Palácio dos Correios num empreendimento de escritórios e comércio.

Já o conhecido edifício do ex-colégio Almeida Garrett, que o grupo comprou em hasta pública à Universidade do Porto, por 6,1 milhões de euros, vai ser transformado num empreendimento de habitação e em estúdios destinados a jovens e a estudantes.