Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Obras nascem como cogumelos nas artérias paralelas ao M.de Pombal e à Av.da Liberdade

Autor: carla celestino (colaborador do idealista news)

A oferta de qualidade, antecipa ao idealista/news quem está no mercado, vai começar a escassear nas zonas prime de Lisboa. Com isso, inevitavelmente, vão “ressuscitar” as artérias paralelas. Os andaimes e tapumes para lá da Rotunda do Marquês de Pombal e da Avenida da Liberdade são o melhor exemplo e mostram já claramente essa realidade. Com isso, estas zonas estão cada vez mais valorizadas e os preços a subir. Apresentamos-te os empreendimentos imobiliários que ali estão a nascer.

Andar pelas ruas da Avenida Duque de Loulé, Rua Barata Salgueiro, Rua Castilho, Rua Artilharia 1, Luciano Cordeiro ou Rua de Santa Marta, só para mencionar algumas, é descobrir todo um novo reboliço de estaleiros com máquinas a entrar e a sair, trabalhadores de capacete em punho e placas a desvendar ‘o que vai ali acontecer’, como comprovou o idealista/news em reportagem.

O diretor Geral da Lince Real Estate, Vasco Pereira Coutinho, é uma das vozes que, a este propósito, declara que “o preço por metro quadrado tem subido nos últimos anos, em todo o país, com especial destaque no centro da cidade de Lisboa”, sendo que “nos últimos cinco anos, em determinadas zonas centrais de Lisboa, os preços subiram 70% ou mais”. As ruas e avenidas paralelas ao Marquês de Pombal e à Avenida da Liberdade não fogem a esta “nova regra”.

Para se ter uma noção desta realidade basta referir que, no primeiro trimestre de 2018, no Bairro Castilho – Rodrigues da Fonseca os valores médios no segmento baixo rondaram os 1.916 euros por metros quadrado (m2), no médio baixo os 3.679 euros por m2, no médio os 4.894 euros por m2, no médio alto 6.221 euros por m2 e no alto 7.117 euros por m2. Já no Bairro de Santa Marta foi de 1.408 euros por m2, 2.513 euros por m2, 4.591 euros por m2, 5.696 euros por m2 e 8.461 euros por m2 para os respetivos segmentos, segundo dados do Confidencial Imobiliário.

Habitações de luxo

A Avenida Duque de Loulé foi uma das primeiras artérias paralelas a despertar para o ‘boom’ imobiliário e vários são os projetos a decorrer nesta parte da capital.

Duque 70 / Habitatinvest
Duque 70 / Habitatinvest

O Duque 70 é um projeto da Habitatinvest e deverá estar concluído em 2019. Com 52 apartamentos, um jardim interior comum, piscina e amplas zonas de circulação, as áreas variam entre os 70m2 a 165m2 e as tipologias vão desde o T0 com valores nos 390.000 euros até T3 Duplex por 1100.000 euros.

Outro empreendimento nesta artéria foi lançado pela Coporgest: Sottomayor Residências. O edifício possui três lojas e 97 apartamentos, sendo que a esmagadora maioria já estão vendidos. Mas ainda é possível encontrar apartamentos T2 entre 1085.000 euros e 1100.000 euros ou T4 entre 1320.000 euros e 1805.000 euros.

Sottomayor Residências /  Coporgest
Sottomayor Residências / Coporgest

Refira-se que a Coporgest tem um outro empreendimento localizado nas ruas Luciano Cordeiro / Largo das Palmeiras / Rua de Andaluz: Sottomayor Premium Apartments. Este condomínio habitacional tem 43 apartamentos, tipologias T1 a T3, uma loja e estacionamento subterrâneo.

Também na Luciano Cordeiro nº 92 a ACCURE tem em curso um projecto de recuperação total de um edifício constituído por 12 apartamentos T1+1 e T2, com áreas entre 108 e 165 m2, estando já todo vendido.

Destaque ainda para a Rua Barata Salgueiro que se apresenta no mercado residencial de gama alta como uma das mais caras da cidade, com preços de venda superiores à média concelhia e valores acima dos 10.000 euros/m2. Nesta artéria existem duas importantes obras residenciais: uma do promotor Barlow Retail Investment que tem projeto de autoria do atelier Contacto Atlântico – André Caiado; e o Liberdade Terraces do promotor Lantia a construir pela Casais.

Imóveis cobiçados

O Mulberry Hill é um projeto da promotora AVENUE localizado na Rua Artilharia 1. Ao todo são 31 apartamentos nas tipologias Studio a T3 Duplex e ainda estão disponíveis apartamentos T0 com valores de 280.000 euros, T1 por 300.000 euros a 450.00 euros e T3 por 890.000 euros a 975.000 euros.

Mulberry Hill  / Avenue
Mulberry Hill / Avenue

Já na Rodrigo da Fonseca nº 11 surge o The Nest da promotora Louvre Properties que deverá estar concluído em 2019. Edifício de escritórios convertido em habitação é constituído por 13 apartamentos e duas penthouses, com T1 a T3 Duplex e áreas entre os 95 a 425m2, embora esteja em fase pré-venda os preços não foram divulgados oficialmente.

The Nest / Louvre Properties
The Nest / Louvre Properties

Esta promotora tem também uma outra obra na Rua Alexandre Herculano nº41. O edifício possui seis andares, com tipologias T1-T2 e áreas entre 59m2 e 131 m2. Já está todo vendido e os preços variaram entre os 290.000 euros e os 690.000 euros. E vai ainda lançar no mercado dois novos projetos localizados nas ruas Rodrigo da Fonseca 11 e Rosa Araújo 12.

A Quantico apresenta o Santa Marta 32, localizado com o mesmo nome da rua e número de porta. Tem 24 apartamentos nas tipologias T1, T2, T3, T4 com preços de mercado entre os 240.000 euros - T0, 505.000 euros - T2, 790.000 euros – T3, 950.000 euros - T3 Duplex ou 1250.000 euros T4 Duplex.

Mais abaixo, na Rua do Salitre nº 27-31, a Level Constellation promove o Off Liberdade, com 14 apartamentos de T0 a T1 e uma loja. Ainda tem disponível para venda um T1 Duplex pelo valor de 568.000 euros.

Não obstante os preços praticados, estes imóveis, entre outros, são muito cobiçados. Pois não só têm compradores, como são adquiridos em planta e muitas vezes até fazem parte de uma shortlist de interessados sem, no entanto, que saibam antecipadamente o valor do preço/m2.

Rua Alexandre Herculano nº41 / Louvre Properties
Rua Alexandre Herculano nº41 / Louvre Properties

Novas estrelas a despontar

É preciso, no entanto, realçar que não são apenas edifícios residenciais que estão a nascer nestas artérias adjacentes, a hotelaria está também na mira dos investidores.

Com data prevista de abertura para 2018, de acordo com o Observatório do Turismo de Lisboa, está o Exe Duque de Loulé situado na Duque de Loulé. Pertencente ao Grupo Hotusa, é uma unidade de 3-estrelas que vai contar com 140 quartos. Também nesta avenida o grupo Cerquia está a levar a cabo obras para um hotel com 163 quartos.

Já na Praça da Alegria vão surgir dois novos espaços hoteleiros: o Palácio Azul, uma unidade de 5-estrelas com 40 quartos; e o Real Maxime Hotel, dos Hotéis Real de 4-estrelas com 70 quartos.

Estas unidades hoteleiras surgem numa altura em que, de acordo com a mesma fonte, os preços médios alcançaram novos recordes no mês de Maio fixando-se os 3-estrelas nos 97,39 euros, os 4-estrelas nos 110,45 euros e os 5-estrelas nos 199,3 euros. Valores superiores aos verificados em igual mês de 2017, registando-se aumentos na ordem dos 24,2% (18,95 euros) nos 3-estrelas, 14% (13,53 euros) nos 4-estrelas e 9,1% (16,62 euros) nos 5-estrelas.

Projetos vão continuar

Todos estes projetos demonstram o dinamismo imobiliário das artérias paralelas ao Marquês de Pombal/Avenida da Liberdade, no coração da capital, e ao que parece é algo que está para durar.

Como Vasco Pereira Coutinho remata: “São artérias muito centrais da cidade de Lisboa, onde ainda existem muitas oportunidades de investimento. Lisboa é uma cidade com muita reabilitação a acontecer e estes projectos vão continuar a desenvolver-se pelos próximos anos”.

É que, como diz: “Lisboa está a atrair investidores e cidadãos do mundo!”