Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Lucros da Teixeira Duarte engordam 182,6% num ano

Resultados líquidos da construtora quase triplicaram para 20,05 milhões de euros, nos primeiros nove meses de 2019.

Photo by EJ Yao on Unsplash
Photo by EJ Yao on Unsplash
Autor: Redação

Depois de anos mais complicados, a construtora portuguesa Teixeira Duarte registou nos primeiros nove meses deste ano um resultado líquido positivo de 20,05 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de 182,6% face aos 7,09 milhões de lucros no período homólogo de 2018. O mesmo será dizer que quase triplicou os lucros no espaço de um ano. E como? Graças à atividade favorável das várias empresas que intregram o grupo, em distintos mercados, mas também devido às taxas de câmbio.

No relatório e contas divulgado ao mercado na semana passada, a empresa refere que "além do impacto normal do desenvolvimento da atividade das entidades que integram o Grupo Teixeira Duarte nos seus diferentes mercados de atuação, este indicador foi também influenciado positivamente pelo facto de as diferenças de câmbio financeiras nos primeiros nove meses de 2019 terem sido negativas no valor de 35,1 milhões de euros, enquanto no período homólogo haviam sido negativas em 60,2 milhões de euros".

Entre janeiro e setembro, a Teixeira Duarte obteve proveitos operacionais de 763,56 milhões de euros, um aumento de 8% face ao mesmo período do ano passado. Todos os setores tiveram bons desempenhos de atividade, sendo que os crescimentos registados na construção, em Portugal e no Brasil, foram os que mais contribuíram para o aumento deste indicador, tal como se pode ler no documento apresentado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Já o volume de negócios ascendeu a 652,23 milhões de euros, o que reflete um aumento 2,6% face ao período homólogo, ou seja, mais 16,72 milhões de euros. "Mais do que a dimensão do aumento alcançado, destaca-se o facto de o mesmo constituir uma inversão da tendência de redução que se vinha verificando nos últimos cinco exercícios", sublinha a Teixeira Duarte.

Em Portugal registou-se uma suave quebra de 0,5% face aos primeiros nove meses de 2018, enquanto os outros mercados cresceram globalmente 3,7%. "Neste contexto, os mercados externos passaram a representar 75,4% do total do volume de negócios do Grupo Teixeira Duarte, face a 74,6% verificados no período homólogo".

Por sua vez, o EBITDA do grupo aumentou 32,8% face ao período homólogo e fixou-se em 146,29 milhões de euros. A dívida financeira líquida registou um aumento de 66,5 milhões de euros desde o final de 2018, tendo-se fixado em 755,4 milhões. E o rácio divida financeira líquida/EBITDA a 30 de setembro de 2019 estava em 3,9 vezes.