Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Negócio de compra da Comporta continua por concluir - escritura volta a derrapar

Autor: Redação

Depois do consórcio formado pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury ter aceitado, em novembro do ano passado, pagar cerca de 158 milhões de euros pelos ativos imobiliário-turísticos da Herdade da Comporta e várias vezes agendada a escritura de venda, esta ainda não aconteceu. Vários procedimentos administrativos e burocráticos têm vindo a fazer derrapar a transferência de propriedade. Algo esperado para acontecer agora no final do corrente mês de julho.

"Dada a complexidade do processo, é necessário garantir que todos os direitos estão assegurados", declarou fonte do consórcio ao Negócios, indicandi que "um ponto essencial prende-se com os temas de separação, nomeadamente as servidões de passagem". 

Os processos administrativos, segundo aponta a mesma fonte, "estão em curso e só apenas com a sua conclusão a escritura poderá ser celebrada, esperando que a mesma aconteça até finais de julho". 

Depois de esperada para acontecer em março, falou-se de abril, tendo sido depois marcada a assinatura do contrato de compra e venda para 28 de junho de 2019, ou seja, sexta-feira da semana passada, o que também não aconteceu.

Investimento de mil milhões depende da escritura para avançar

Só depois de realizada a escritura dos ativos localizados nos concelhos alentejanos de Grândola e Alcácer do Sal, explica o Negócios, é que o agrupamento da Amorim Luxury (de Paula Amorim) e da Port Noir Investments (de Claude Berda) poderá iniciar as intervenções previstas. 

A empresária portuguesa controla 12% do consórcio, enquanto o milionário francês, que em Portugal controla também a Vanguard Properties, detém os restantes 88%. 

A primeira fase de intervenção do consórcio passa pela construção de 52 moradias turísticas, as quais implicam um investimento de 300 milhões de euros. O consórcio anunciou, ainda em novembro, que o seu plano para a Comporta, a desenvolver num horizonte de 15 anos, implica um investimento de mil milhões de euros.