Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Escritórios e ventilação em tempos de Covid-19: o que é preciso saber sobre medidores de CO2

Não podemos considerar estes dispositivos como uma garantia de eliminação do risco de contágio, mas sim como uma validação da eficácia da ventilação.

Pixabay
Pixabay
Autor: Lucía Martín (colaborador do idealista news)

A pandemia da Covid-19 fez-nos começar a usar toda uma terminologia que nos era completamente estranha em janeiro deste ano: máscaras, KN95, higiénico, gel hidroalcoólico, ventilação cruzada, medidores de CO2. Quase que parecemos profissionais da área, e mesmo assim existem coisas que continuam a ser feitas de maneira errada e a nossa saúde está em jogo.

Uma das questão mais faladas prende-se exatamente com a ventilação adequada dos espaços de trabalho. Para esclarecer melhor este assunto, é importante perceber, por exemplo, que muitos ventiladores comunitários possuem sensores que calculam por si próprios a qualidade do ar, semelhantes aos termostatos dos aquecedores domésticos. Esses sensores medem se a qualidade do ar diminui e, em seguida, eles ventilam novamente.

“A questão é que seria apropriado não colocar esses sensores de forma que haja ventilação permanente. Devemos tentar reduzir a recirculação do equipamento: que ar limpo seja introduzido e o sujo seja extraído, mas que não esteja a recircular. Além disso, devem inspecionar-se bem as ventilações centralizadas para que os filtros, caso existam, sejam corretos”, comenta Gemma del Caño, farmacêutica e especialista em segurança alimentar.

É preciso prestar atenção a algum espaço? “Sim, nas casas de banho, nos vestiários e nas áreas comuns, porque normalmente não há ventilação natural, então seria apenas uma extração em contínuo. E é isso que deve estar permanentemente ligado, para que não pare. Também podem ser usados, se não houver outra opção, dispositivos para purificar o ar”, diz a especialista.

Assim, se tivéssemos que fazer uma recomendação para sistemas de ventilação, seria, “de mais para menos, ventilação natural e cruzada; em seguida, ventilação centralizada individual e, finalmente, purificadores de ar ”.

O que são e como funcionam os medidores de CO2

Outro dispositivo que pode nos ajudar a ver a qualidade do ar e avaliar a necessidade de ventilação são os chamados medidores de CO2.

“São aparelhos projetados para avaliar a qualidade do ar. Atualmente são recomendados para locais fechados onde haja mais de 20 pessoas e que tenhamos dúvidas quanto à sua ventilação correta. Na verdade, são sondas que medem o dióxido de carbono em ppm (partes por milhão) que temos num espaço. O mais comum é que sejam sensores que funcionam por infravermelho, embora existam outras opções. Baseiam a sua operação no facto de que o CO2 absorve a radiação infravermelha de uma forma única para que possa saber quando a presença de dióxido de carbono no meio ambiente é alta ”, explica del Caño.

Ao ar livre, a concentração de CO2 é de cerca de 350-400 ppm. Em local fechado, seria tolerável até 1.000 ppm, embora fosse recomendado entre 500 e 800. A partir de 2.000 ppm pode-se considerar que o espaço não está bem ventilado.

Cuidado com o posicionamento: “É necessário colocá-lo corretamente. Não pode estar perto de correntes de ar ou zonas mortas como prateleiras e também deve ser evitado que estejam perto de fontes de calor. Os preços do mercado não são inacessíveis, mas não podemos considerar um medidor de CO2 como uma garantia de eliminação do risco de contágio, mas sim como uma validação da eficácia da ventilação. Eles são apenas sondas que fornecem uma indicação do estado do ambiente. Não garantem a redução do contágio, não nos impedem de ventilar e, em nenhuma hipótese, podem servir de pretexto para eliminar as demais medidas ”, finaliza o especialista.