Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Quanto demoram as casas a ser vendidas? (Este e outros dados num retrato sobre o imobiliário nacional)

Gtres
Gtres
Autor: Redação

O imobiliário está em alta em Portugal - o número de transações está em máximos desde 2009, por exemplo - e há imóveis que "voam" mal chegam ao mercado, tal é o apetite dos investidores. Mas esta realidade está longe de ser generalizada a toda a oferta. Apenas 15% dos apartamentos e 9% das moradias colocados para venda encontram comprador em menos de 30 dias. Perto de 30% dos apartamentos e 43% das moradias estão anunciados há mais de um ano.

Os dados são revelados por um estudo da Keller Williams Portugal, que procura mostrar os principais dados de evolução do mercado imobiliário nacional ao longo do primeiro semestre do ano.

A empresa global de formação e consultoria especializada no ramo de Mediação Imobiliária considera que estes valores são "um sinal preocupante de que parte da oferta, aparentemente, não se encontra adequada a uma procura imobiliária cada vez mais exigente e que, paralelamente, existe aferta que precisa de se reposicionar em termos de valor, sob pena de não ser absorvida, de todo, pelo mercado".

A KW diz, em nota de imprensa, que realizou o "Portugal Real Estate Insights" a partir de várias fontes internas, nacionais e internacionais, com o objetivo de traçar um mapa do comportamento do mercado. E chegou a várias conclusões, que agora replicamos.

RX do imobiliário feito pela KW

  • Número de empresas de mediação imobiliária em atividade 

O número de empresas de Mediação Imobiliária em atividade aumentou para 6.864, dados de junho do presente ano, o que representa um crescimento de cerca de 14% em termos homólogos e de cerca de 51% face à base a referência de junho de 2016.

  • Expectativas de compra ou construção para os próximos 12 meses

Não obstante o indicador ser negativo (como o foi sempre desde o início da série), o resultado alcançado no primeiro trimestre de 2019 é o melhor desde janeiro de 2008. 

É um valor que se encontra um pouco em contra ciclo com a perceção de uma certa desaceleração económica, mas que também reflete o facto das taxas de juro continuarem historicamente baixas e de se antecipar uma ligeira descompressão nos preços de mercado, não só por via das "normais" dinâmicas da Oferta e da Procura, bem como pela introdução de novo produto que foi sendo licenciado nos últimos anos e que nos próximos meses contribuirá para um maior leque de oportunidades à disposição de famílias e investidores imobiliários.

  • Volume de novos créditos à habitação concedidos pelos bancos

Ao longo dos primeiros 4 meses do ano, o volume de novos créditos à habitação atingiu 3.155 milhões de euros, o que representa um crescimento de 6,3% face a igual período de 2018.

Este movimento expansionista é tanto mais relevante, quanto a moldura legal para concessão de crédito à habitação se tornou mais exigente e o valor dos imóveis no mercado continua em máximos históricos.

  • Transações imobiliárias

O primeiro trimestre de 2019 apesar de ter evidenciado uma ligeira desaceleração face aos trimestres anteriores (particularmente na Área Metropolitana do Porto) continuou a assegurar valores máximos desde 2009, representado um crescimento de 7,6% no número de transações residenciais face ao primeiro trimestre e de 12,9% em termos de valor global transacionado para o mesmo período.

  • Avaliação bancária

O valor médio de avaliação bancária atingiu o seu máximo histórico no passado mês de maio, situando-se em torno dos 1264€/m2. Este valor representa um crescimento homólogo de 9,1% e assegura igualmente o melhor comportamento de sempre deste indicador, com uma sequência de 45 meses consecutivos de valorização homóloga.

A importância deste indicador prende-se com o facto de o mesmo ser um excelente barómetro da forma como as instituições financeiras estão a encarar o dinamismo do próprio mercado imobiliário, pelo que, o facto de a tendência ser similar à dos preços de mercado é um sinal relevante de que não existe (à partida) qualquer tipo de bolha ou de movimento especulativo de fundo a inflacionar artificialmente os asking prices atualmente a serem pedidos pelos proprietários.

  • Dinâmica das autorizações de residência para investimento (ARI - Vistos Gold)

Apesar do mês de junho ter assegurado um dinamismo interessante neste segmento de mercado (com 118 novas autorizações de residência a serem concedidas), em termos homólogos, o número de investidores contabilizados continua em queda (menos 23,9% do que no primeiro semestre de 2018), não sendo possível antecipar qualquer tipo de inflexão no aparente desinteresse que os investidores estrangeiros evidenciam nos últimos 3 anos em relação a este veículo imobiliário.