Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Os planos de Paris para transformar os Campos Elíseos num grande jardim

O projeto foi desenvolvido pelo estúdio francês PCA-Stream e tem um orçamento estimado de 250 milhões de euros.

PCA-Srtream
PCA-Srtream
Autor: Redação

A icónica Avenida dos Campos Elíseos, no coração de Paris, em França, que vai desde o emblemático Arco do Triunfo à Praça da Concórdia, vai ser transformada num espaço para pedestres repleto de jardins. A presidente da Câmara, Anne Hidalgo, deu “luz verde” a um plano de requalificação para renovar toda esta zona central da capital francesa, que vai custar 250 milhões de euros. O projeto foi desenvolvido pelo estúdio francês PCA-Stream, e prevê-se que uma parte esteja pronta ainda antes dos Jogos Olímpicos de 2024, e que fique totalmente concluída em 2030. 

O comité dos "Champs-Élysées", associação que engloba o comércio e negócios da zona, reclama desde 2018 uma remodelação significativa da avenida e da sua envolvente, segundo conta o Diario.es. E parece que a conversão deste troço de 1,9 quilómetros no centro de Paris num jardim “extraordinário” é mesmo para avançar.

Para a maioria dos franceses, esta é uma zona deteriorada. "A famosa avenida perdeu o seu esplendor nos últimos 30 anos. Foi progressivamente abandonada pelos parisienses e afetada por crises sucessivas: coletes amarelos, greves, problemas de saúde e económicos", escreveu o comité num comunicado que comemora o anúncio de Hidalgo, e citado pela mesma publicação.

Uma avenida mais "verde"

O comité lançou uma consulta popular sobre propostas para a avenida, e sabe-se que os planos incluem cortar o espaço dos veículos para metade, transformar estradas em zonas verdes para pedestres e criar túneis de árvores que melhoram a qualidade do ar, criando-se assim um espaço mais ecológico, atrativo e inclusivo.

De acordo com o arquiteto Philippe Chiambaretta, da PCA-Stream, antes da pandemia ter paralisado o turismo internacional, 72% dos 100 mil pedestres que se estima que passavam todos os dias na avenida eram turistas, e 22%, pessoas que nela trabalham.

Nas suas oito faixas de rodagem, circulam em média 3.000 veículos por hora, diz Chiambaretta. Os níveis de poluição são mais altos do que os do Périphérique, como é conhecida a movimentada e concorrida a estrada de circunvalação que rodeia a capital francesa. Na sua opinião, a avenida tornou-se num símbolo dos problemas que as cidades enfrentam ao redor do mundo. “Poluição, turismo, consumismo e o espaço que é dado aos carros”, indica. Para torná-la "ecológica, atrativa e inclusiva", diz, é preciso transformá-la.

Os planos também incluem o redesenho da famosa Praça da Concórdia, a maior praça de Paris, considerada pela Câmara Municipal como uma "prioridade ". A previsão é que as obras da praça terminem ainda antes dos Jogos Olímpicos, e o objetivo é concluir toda a avenida até 2030.