Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Presidência da Ordem dos Arquitetos disputada por Gonçalo Byrne e Daniel Fortuna do Couto

Arquitectos são candidatos nas eleições para o triénio 2020-2022, marcadas para o próximo dia 15 de maio de 2020.

Areaware
Areaware
Autor: Redação

O lugar da presidência do conselho diretivo nacional da Ordem dos Arquitetos (OA) vai a votos no próximo dia 15 de maio de 2020. E nestas eleições para o triénio 2020-2022 há dois candidatos anunciados: Gonçalo Byrne e Daniel Fortuna do Couto.

Os arquitetos defendem, em paralelo, a dignificação da profissão, a melhoria de condições de trabalho e a necessidade de um quadro regulatório da atividade. Coincidem ainda na forma como consideram que a crise habitacional tem sido "negligenciada pelo Estado".

Neste contexto, Gonçalo Byrne considera, por isso, que a Ordem tem de passar a ter um papel ativo na sociedade. Embora “os arquitetos não sejam donos das cidades”, têm uma palavra a dizer sobre a necessidade de se construir habitação para determinadas franjas da população, que tem menos capacidade financeira para recorrer ao mercado”, diz, por exemplo, o arquiteto candidato, citado na imprensa.

Nascido em Alcobaça em 1041, Byrne diplomou-se em Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa em 1968. Autor de uma vasta obra, várias vezes premiada a nível nacional e internacional, a sua produção tem mostrado particular relevo nos planos patrimonial e cultural.

Do seu vasto currículo, e tal como é apontado na sua página na Wilkipédia, constam dezenas de obras, em Portugal e no estrangeiro, incluindo habitação, renovação urbana, equipamentos urbanos, laboratórios e universidades. Professor catedrático, convidado em Portugal e no estrangeiro, recebeu em 2005 o doutoramento Honoris Causa pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa.

Por sua vez, Daniel Fortuna do Couto, vice-presidente do atual conselho directivo nacional da Ordem, que encabeça a candidatura com o lema “Uma Ordem presente”, promete que a sua candidatura vai dar continuidade ao trabalho realizado pela equipa dirigida por José Manuel Pedreirinho, que agora termina o mandato.

Natural do Porto, Couto exerce funções no Ministério da Saúde, é membro do Conselho Nacional do Ambiente e membro suplente do Conselho Superior de Obras Pública. No Linkdin apresenta-se como "arquiteto sénior e projetista individual de obras com trabalhos relacionados ao planeamento urbano, habitação, espaços comerciais e públicos", acumulando "mais de 20 anos de experiência".