Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Concessão do Palace Hotel no Buçaco vai a concurso público através do Revive

Grupo hoteleiro Alexandre de Almeida, gestor centenário do hotel de cinco estrelas que funciona no monumento nacional, diz que vai apresentar proposta ao Revive.

Wikimedia commons
Wikimedia commons
Autor: Redação

O último Conselho de Ministros aprovou o decreto-lei que integra o Palace Hotel do Buçaco no lote de imóveis públicos a concessionar no âmbito do Revive - programa que visa a recuperação de imóveis públicos de elevado valor patrimonial para fins turísticos. O monumento nacional, inserido na Mata do Buçaco, vai ser assim alvo de um concurso público de concessão. E o grupo hoteleiro Alexandre de Almeida, responsável pela unidade hoteleira desde  1917, está determinado a continuar a assegurar a gestão.

Desde 2006 que o Palace Hotel do Buçaco está a ser gerido por Alexandre de Almeida, ao abrigo de um contrato de cessão a título precário, figura encontrada na altura pelo Estado após o término, dois anos antes, do prazo da concessão, tal como conta o Dinheiro Vivo, recordando que a Fundação Mata do Buçaco - entidade responsável pela gestão de todo aquele património público - chegou, em 2016, a lançar um concurso internacional para uma nova concessão, mas uma providência cautelar interposta pelo gestor centenário do palácio travou este processo. 

Alexandre de Almeida, presidente do grupo hoteleiro homónimo, garantiu ao jornal online que se irá apresentar ao concurso, sublinhando que no processo deverão ser privilegiados os mais de 100 anos que conta à frente da gestão do hotel. "O grupo criou o Palace Hotel, faz parte da sua génese, o Buçaco é o Palácio e sem nós é outro hotel", declarou o responsável, considerando que o modelo de concessão no âmbito do Revive "é muito sensato" e vai permitir "regularizar a situação de estar sem contrato de concessão desde 2004 e encontrar uma solução para o hotel".

Confrontado com a degradação da estrutura, o gestor reconhece que o edificado carece de obras de melhoramento e que "contratos com duração de 40 ou mesmo de 50 anos permitem outras perspetivas de gestão e de investimento", sublinhando que sempre cumpriu com as obrigações contratuais. Segundo adiantou, já neste ano foram realizadas intervenções nos telhados, mas não revelou o valor despendido nas reparações.

O Palace Hotel do Buçaco, unidade de cinco estrelas, com 60 quartos e quatro suites, construído a partir de 1888 para os últimos reis de Portugal, é uma das seis unidades que integram a cadeia hoteleira mais antiga de Portugal. O edifício neomanuelino, que se destaca entre os 105 hectares da Mata do Buçaco, está atualmente fechado, mas Alexandre Almeida prevê a sua reabertura já a 19 de abril. Os outros hotéis do grupo deverão permanecer encerrados até que se verifique uma evolução mais favorável da crise sanitária.