Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Imobiliário fecha semestre com transações acima de mil milhões impulsionado pela hotelaria

Photo by Fulvio Ambrosanio on Unsplash
Photo by Fulvio Ambrosanio on Unsplash
Autor: Redação

O imobiliário em Portugal continua em alta, mas de momento menos que no ano passado. No primeiro semestre foram transacionados 1.050 mil milhões de euros, registando-se assim uma quebra de 26% comparativamente ao mesmo período de 2018. O setor da hotelaria foi o mais ativo, contribuindo para 38% do volume de investimento total, seguido pelo retalho (30%) e escritórios (23%), segundo a Savills.

“Apesar do esperado decréscimo no volume de investimento para 2019, o dinamismo de mercado deverá manter-se, e o ano deverá encerrar acima da média dos últimos 5 anos, entre os 2 500/ 3 000 mil milhões de euros", antecipa Alexandra Gomes, Senior Analyst of Research Departament da Savills, explicando que a "manutenção das taxas de juro em níveis historicamente baixos continua a tornar o segmento imobiliário naturalmente muito atrativo”.

Na primeira metade do ano, destaca a consultora imobiliária internacional, os investidores americanos somaram os maiores montantes de investimento, num total de 356 milhões de euros, seguidos pelos alemães com 220 milhões de euros. Já os investidores de origem nacional contribuíram com 140 milhões, o que comparativamente ao mesmo período de 2018 (55 milhões de euros) corresponde a um aumento de presença muito expressivo no mercado de investimento.

Estes dados constam de uma análise feita pela Savills ao mercado imobiliário nos primeiros seis meses de 2019, a nível nacional. Apresentamos agora as principais conclusões deste estudo, por segmentos:

Hotelaria

  • Foi o setor mais ativo, contribuindo para 38% do volume de investimento total, traduzindo-se em 6 transações, envolvendo um total de 396 milhões de euros.
  • No conjunto de transações hoteleiras, está incluída a venda do Portfolio Minor, que inclui os hotéis Avani Av. Liberdade, Tivoli Av. Liberdade e Tivoli Oriente, por 312 milhões de euros, aos investidores norte-americanos da Invesco.

Retalho

  • O setor de retalho contribuiu para 30% do volume total de investimento, cerca de 315 milhões de euros, e o segmento de escritórios contabilizou 23% das transações, somando um total de 244 milhões de euros.
  • De entre as principais transações destes dois segmentos conta-se a venda do Leiria Shopping por 128 milhões de euros à DWS, e a venda do Portfolio da Credit Suisse, que compreendem os edifícios Art´s Business Centre e Torre Fernão Magalhães, por 112 M€ à Merlin Properties.

Escritórios

  • Lisboa registou um take-up total de 110.000 m², representando um aumento de 27% face ao período homólogo. 48 operações disseram respeito a mudanças de edifício, contabilizando um total de 72.659 m², sendo que outras 31 operações se referiram à expansão de área, envolvendo um total de 27.157 m².
  • As zonas que verificaram melhor performance foram a zona 5 (Parque das Nações) e a zona 1 (Prime CBD), com 26.840 m² e 24.937 m² de espaços de escritórios ocupados, respetivamente.
  • Destaque para a maior transação do 1º semestre de 2019, o pré-arrendamento de um edifício no Parque das Nações por parte da Seguradora AGEAS, que conta com cerca de 17.400 m², e que teve um peso de 65% no take-up total da zona 5. A Torre da Cidade, localizada na Avenida Fontes Pereira de Melo 41, foi ocupada pela consultora multinacional KPMG (9.950 m²) e a Sociedade de Advogados PLMJ (6.950 m²), encabeçando o top 3 das maiores transações do 1º semestre de 2019. 

Residencial

  • O ano de 2019 tem assistido ao fenómeno contínuo do aumento generalizado dos preços das habitações em Portugal, um valor a rondar os 16%. Contudo, esta subida tem sido cada vez menos impulsionada pelas taxas de crescimento de Lisboa e Porto. Nas duas principais cidades do país, os preços continuaram a subir, porém a um ritmo mais comedido face ao 4º trimestre de 2019.
  • Lisboa registou nos primeiros 3 meses do ano um aumento generalizado dos preços em torno dos 11%, enquanto a cidade do Porto viu subir os valores fechados na venda das habitações em quase 29%. Só em Lisboa, a Savills contabiliza, entre 2019 e 2022, um pipeline de mais de 6.500 novos fogos que entrarão no mercado, na sua maioria pertencem a projetos de luxo.

Industrial Logística

  • O take-up reduziu-se para o equivalente a 30% do registado no mesmo período de 2018. Tal descida prende-se, mais uma vez, com o já denominador comum aos outros segmentos imobiliários, a falta de oferta que corresponda aos critérios procurados.
  • No caso das plataformas logísticas e industriais, a oferta de espaços com mais de 10.000 m2 é particularmente escassa, o que naturalmente levou, sobretudo ao longo do segundo trimestre (período no qual foi alocado 76% do take-up do semestre), a subidas dos preços na zona do Corredor Oeste (3,5 €/m2 para 4 €/m2) e Matinha – Prior Velho (4,5 €/m2 para 5 €/m2).
  • O Centro Empresarial da Abóboda (7.146 m2), a Fábrica Aleluia em Aveiro (5.000 m2) e o Logispark no Montijo (3.700 m2), formam o top 3 das maiores transações no segmento concentrando 52% do take-up total
  • 19% da área alocada teve lugar fora da área metropolitana de Lisboa, com especial foco no distrito de Aveiro.