Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

As marcas de automóveis mais vendidas em Portugal são…

Photo by Marcel Pirnay on Unsplash
Photo by Marcel Pirnay on Unsplash
Autor: Redação

A Renault continua a ser “campeã” de vendas em Portugal, sendo líder na comercialização de automóveis novos ligeiros de passageiros há duas décadas. No final de 2018 circulavam nas estradas nacionais 599.388 veículos da marca francesa, o que corresponde a 12% do total deste segmento. Volkswagen e Opel, por esta ordem, completam o pódio. 

No final do ano passado, havia mais de cinco milhões de automóveis ligeiros de passageiros a circular em solo nacional, escreve o Jornal de Negócios, que complicou uma lista com as 20 marcas mais populares em Portugal. Mostramos-te, em baixo, o top 10 das mais vendidas em 2018:

Marcas Nº de veículos vendidos em 2018
1ª - Renault 599.388
2ª - Volkswagen 457.407
3ª - Opel 435.117
4ª - Peugeot Quase 417.000
5ª - Mercedes 374.195
6ª - Ford Mais de 290.000
7ª - Citroën Quase 280.000
8ª - BMW 275.968
9ª - Fiat 253.107
10ª - Toyota Mais de 214.000

Portugueses de costas voltadas para carros “nacionais” 

Entretanto, e de acordo com a mesma publicação, o mercado interno está a perder peso como destino da produção automóvel. Os números são esclarecedores: em 25 anos, o peso do mercado interno como destino da produção automóvel portuguesa passou de 39% para… 3%. E mais: o número de veículos produzidos localmente que foram comprados pelos condutores portugueses baixou de quase 49.000 unidades para menos de 9.000.

A chegada da Autoeuropa, que iniciou produção em 1995, ajuda a justificar estes números. “Era um projeto muito diferente das outras fábricas que existiam em Portugal”, disse Helder Pedro, secretário-geral da Associação Automóvel de Portugal (ACAP), citado pelo Jornal de Negócios. “Foi sempre um projeto com foco na exportação”, acrescentou.

Uma opinião, de resto, partilhada pela SIVA, distribuidora do grupo Volkswagen em Portugal. Fonte da empresa adiantou que o “salto” na produção automóvel com a chegada da Autoeuropa levou à queda do peso do mercado nacional.