Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Web Summit arranca hoje com casa cheia: são mais de 70 mil participantes e 2.150 startups

Edward Snowden participa na abertura do evento por videoconferência. Web Summit termina quinta-feira.

Facebook Web Summit
Facebook Web Summit
Autor: Redação

A 4ª edição da Web Summit em Portugal arranca hoje no Parque das Nações, em Lisboa, realizando-se (até dia 7 de novembro) na Altice Arena e na FIL. Os bilhetes estão esgotados e o evento vai contar com 70.469 participantes, 2.150 startups e 239 parceiros. O norte-americano Edward Snowden, que denunciou as práticas de espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA, participa na abertura por videoconferência, já que se encontra asilado na Rússia.

É caso para dizer que a Web Summit vai ter casa cheia. Na edição de 2018 houve 69.304 participantes de 159 países diferentes, e os quatro dias de conferência receberam 1.200 oradores, em 24 palcos, 1.800 startups e mais de 1.500 investidores de tecnologias. Na edição deste ano, os números são ainda mais reveladores. O número de startups presentes, por exemplo, sobe quase 20% e supera a meta da organização (1.800 empresas). 

Também a crescer está o número de participantes: foram 53.000 em 2016, 59.115 em 2017 e 69.304 participantes. Na edição deste ano serão 70.469. 

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHERSP) calcula que em média, cada visitante da Web Summit terá um gasto total de 920 euros durante os quatro dias da feira de tecnologia, pelo que a chegada dos 70 mil visitantes poderá ter um impacto de 64,4 milhões de euros no turismo.

“O evento é especialmente impactante para o canal Horeca (hotéis e restauração), pois a necessidade de alojamento, alimentação, animação, entre outras, é uma realidade constante. O ano de 2019 será ainda mais positivo, prevendo-se mais visitantes e impactes diretos e indiretos muito significativos na economia”, diz a AHERSP.

Edward Snowden no arranque do evento

Segundo a Lusa, que cita a organização do evento, Edward Snowden, que denunciou as práticas de espionagem da NSA dos EUA, participa na abertura por videoconferência. Snowden vai responder a questões sobre o seu trabalho para a NSA, como ajudou a construir um sistema de vigilância que reuniu milhões de dados de cidadãos americanos e porque decidiu expor publicamente aquilo que considerou práticas ilegais da NSA.

Além de Snowden, o cofundador e presidente executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, já tinha anunciado outros oradores, como por exemplo o CEO do Tinder, o chairman da Huawei, o CEO da Wikimedia e dois comissários europeus. 

Entretanto, António Costa recorreu ao Twitter para dar o “pontapé de saída” na edição deste ano. “Bem-vindos a mais uma edição da Web Summit. É um prazer receber-vos em Portugal, uma sociedade aberta e inovadora onde admiramos os empreendedores e celebramos a tecnologia”, escreveu o primeiro-ministro, reiterando, numa segunda publicação, que esta semana é importante “discutir como a inovação tecnológica pode resolver assuntos globais urgentes, como o combate às alterações climáticas ou as desigualdades”.