Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Contas bancárias low-cost: fica a saber quanto custam afinal

Autor: Redação

Todas instituições financeiras a operar no mercado nacional estão obrigadas, desde o início desta semana, a disponibilizar contas de serviços mínimos bancários por determinação do Banco de Portugal. O número de instituições a disponibilizar estas contas quase triplicou para 25 neste período. Aqui estão as contas "low-cost" disponíveis no mercado e as comissões que são aplicadas.

Apresentamos-te o levantamento feito pelo Jornal de Negócios.

"Duas destas instituições, o BiG e a Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Mafra, cobram 5,05 euros (já incluindo imposto do selo) de comissão de manutenção anual desta conta. Um valor que representa o máximo permitido. Não podem ser cobrados aos clientes comissões, despesas ou outros encargos que, anualmente e no seu conjunto, ultrapassem 1% do salário mínimo nacional, ou seja, 5,05 euros.

Nove instituições financeiras cobram uma comissão de manutenção inferior a cinco euros por ano, mas que é, no mínimo, de 4,83 euros (Montepio Geral). Mas há seis instituições que não cobram qualquer despesa por esta conta. São elas o BPI, CGD, Banco Popular, Banco Privado Atlântico-Europa, Best, Caixa de Crédito Agrícola Mútuo de Leiria.

As contas de serviços mínimos bancários são destinadas a clientes que não tenham qualquer outra contra aberta noutra instituição financeira. Mas, de acordo com o novo regime que entrou em vigor esta segunda-feira, 5 de Outubro, no caso dos clientes com mais de 65 anos ou dependentes de terceiros, estes podem ter uma conta de serviços mínimos bancários em que o segundo titular tenha uma conta numa instituição financeira diferente.

Estas contas incluem a oferta de um conjunto de serviços considerados básicos, como cartão de débito, "homebanking", depósitos, levantamentos, pagamentos de bens e serviços, débitos directos e transferências intrabancárias nacionais".