Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Prédios vazios ou degradados no centro de Lisboa vão pagar IMI seis vezes mais alto em 2020

Em contrapartida, capital vai reduzir IMI de casas colocadas no mercado de arrendamento e aplicar taxa reduzida de 0,3% sobre generalidade de imóveis.

@caligari77 (pixabay.com)
@caligari77 (pixabay.com)
Autor: Redação

Santa Maria Maior, São Vicente, Campo de Ourique, Estrela, Santo António, Campolide e Misericórdia são as freguesias da capital com maior pressão urbanística. E a Câmara de Lisboa prepara-se para cobrar seis vezes mais Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) aos proprietários de prédios devolutos nestas zonas. Até agora, a penalização em termos de imposto sobre os edifícios vazios ou degradados, face aos restantes, era de três vezes o seu valor. Poderá vir a chegar até 12 vezes mais.

“Vamos penalizar todos aqueles que mantêm edifícios devolutos e não usados em zonas onde as pessoas não têm oferta habitacional ou têm oferta a preços incomportáveis”, anunciou esta quarta-feira o vereador das Finanças, João Paulo Saraiva, durante a apresentação do orçamento municipal para 2020, argumentando que os donos de prédios sem uso fazem “uma opção anti-social e irresponsável, tendo em vista os interesses coletivos da cidade”.

Atualmente, segundo o também vice-presidente da CML, há 3.246 fogos devolutos em Lisboa, sendo que a taxa agravada de IMI aplica-se apenas nas chamadas zonas de pressão urbanística. As freguesias de Santa Maria Maior e São Vicente são as que estão no nível máximo de pressão, enquanto Campo de Ourique, Estrela, Santo António, Campolide e Misericórdia estão no nível imediatamente abaixo.

O objetivo da câmara da capital é arrancar, em 2020, com uma taxa agravada de IMI seis vezes superior à praticada para a generalidade dos imóveis. Caso os prédios penalizados se mantenham devolutos ou degradados, a taxa agravar-se-á depois em cada ano seguinte, passando a ser sete vezes maior, oito vezes maior e assim sucessivamente, até ser, no limite, 12 vezes mais elevada.

Lisboa mantém IMI de 0,3% para generalidade de imóveis

Em contrapartida, o município diz que vai manter o incentivo fiscal, com redução de IMI para quem opte por colocar imóveis no mercado do arrendamento. Além disso, afirmou João Paulo Saraiva, estão a ser preparados novos incentivos fiscais para o arrendamento, que serão apresentados em breve.

O vereador anunciou ainda que o IMI em geral vai manter-se nos 0,3%, a taxa mais baixa permitida por lei e a mesma que foi aplicada também em 2019.

Quanto ao IRS, o município irá devolver 50% da parte a que por lei tem direito. No total, explicou João Paulo Saraiva, serão devolvidos cerca de 32 milhões de euros aos munícipes.

Já a taxa municipal turística ficará nos dois euros, o que permite uma expetativa de receita na ordem dos 34 milhões de euros no próximo ano.