Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Projeto para construir mercado da Time Out em São Bento no Porto sob fogo cruzado

Wikipedia
Wikipedia
Autor: Redação

A Time Out quer instalar um mercado em São Bento, no Porto, que inclui uma torre de 21 metros assinada pelo arquiteto vencedor do Pritzker, Souto de Moura. Mas o projeto para a ala sul da estação ferroviária de Campanhã continua envolto em polémica. Depois de ter sido noticiado que a Direção-Geral do Património Cultural (DGCP) deu luz verde, contrariando as preocupações da Unesco de que o empreendimento põe em causa o "valor Universal Excecional" do centro histórico do Porto, classificado como património mundial, a Câmara do Porto diz não ter recebido qualquer informação.

A Direção Regional de Cultura do Norte, a quem compete enviar essa informação, garantiu ao Público que “a notificação seguiu a 27 de agosto”. A autarquia, por sua vez, alega que o último parecer que a DGPC emitiu e chegou ao executivo de Rui Moreira foi em novembro de 2018, quando essa entidade se pronunciou “favoravelmente” em relação ao projecto, “mas condicionado à análise solicitada à UNESCO, bem como com a condição de não incluir os três quiosques propostos para o exterior”, segundo respondeu o gabinete de comunicação ao mesmo diário.

Na altura, a DGPC informava a autarquia estar a aguardar posição do Icomos/ UNESCO, já que a obra em questão se enquadrava numa zona considerada Património da Humanidade.

Unesco criticou projeto

Essa avaliação, segundo conta ainda o jornal, viria a 2 de abril de 2018. O relatório da Icomos - organismo consultivo da UNESCO para o património - foi arrasador e corroborado pela UNESCO. Descreve uma empreitada que “não tem em conta as recomendações internacionais em matéria de intervenção sobre património construído”, referindo-se a este projeto como um exemplo de “fachadismo” que “não devia ser aprovado”.

Preocupado com a “demolição total dos interiores” e “alteração da estrutura metálica”, o Icomos apontava que o projeto, feito com objetivo de “maximizar o espaço”, parecia implicar uma “demolição excessiva”.

No passado dia 20 de agosto, a Lusa noticiava que o projecto do Mercado Time Out Porto, na estação de São Bento, apesar das críticas, tinha sido aprovado pela Direcção-Geral do Património Cultural em maio.

Mas o avanço da obra do mercado, com espaços de restauração e bares na ala sul da estação, está pendente, segundo o promotor da obra, da aprovação do Pedido de Informação Prévia (PIP) pela Câmara do Porto, que diz, porém, desconhecer a aprovação dada pela Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC).