Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Investimentos continuam: Retail Park Diogo Botelho nasce em antiga fábrica no Porto

Empreendimento é constituído por área comercial de sete mil m2, metade com contrato de arrendamento já assinado.

CMP
CMP
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

O espaço ocupado, até há poucos anos, por uma antiga fábrica metalúrgica e mais tarde de produção de botijas de gás, entretanto desativada, vai dar lugar ao Retail Park Diogo Botelho, em fase de construção. Promovido pela Comanor Imobiliária S.A, sociedade detida pela terceira geração da família do empresário António Miranda há cerca de um século, o novo 'retail park' é constituído por uma área total de 15 mil metros quadrados (m2), sendo que cerca de sete mil m2 são de área comercial. O empreendimento destina-se a um conjunto comercial ao nível da Rua Diogo Botelho e estacionamento em cave com entrada pela Rua da Pasteleira.

O idealista/news sabe que metade da zona dedicada ao comércio, cerca de 3.541 m2, vai ser ocupada por uma insígnia do ramo alimentar, cujo contrato de arrendamento já foi assinado há alguns meses, mas que, de momento, identidade está "em segredo", pretendendo a empresa divulgar o nome apenas perto da data de abertura. “A insígnia alimentar ocupa uma área correspondente a cerca de metade do edifício, sendo que todo o projeto, acessos e outros parâmetros a cumprir foram adaptados” ao ocupante, destaca João Leite Castro, diretor da Predibisa.

Em relação à restante área disponível, de 3741 m2, a Predibisa - que tem a cargo a comercialização - tem um “player em fase avançada de negociação, embora ainda não vinculativo”, refere João Leite Castro. Contudo, diz, “nesta fase as áreas disponíveis são flexíveis e com possível adaptação às necessidades da respetiva atividade”.

Comanor Imobiliária
Comanor Imobiliária

Licenciamento do projeto começou em 2000

A aprovação do projeto imobiliário para os terrenos da antiga fábrica iniciou-se ainda no ano de 2000, estando agora aprovado o licenciamento do Retail Park Diogo Botelho.

De acordo com as informações obtidas, o licenciamento do projeto comercial ficou dependente da conclusão do processo de urbanístico que a autarquia portuense tinha em preparação para esta zona da cidade, localizada junto ao bairro municipal da Pasteleira.

Dependia, por um lado, da profunda reestruturação viária e urbanística prevista para esta zona, com a construção de uma nova rua paralela a Diogo Botelho e que vai separar o novo retail park do projeto municipal de habitação acessível de Lordelo do Ouro, no total de 300 habitações, que autarquia lançou recentemente. Por outro lado, o licenciamento ficou também dependente do projeto de despoluição da Ribeira da Granja, que nesta zona tem previsto o desentulhamento e a valorização do espaço público, com a criação de áreas verdes e um parque de proximidade.

Parte dos investimentos necessários para concretizar estes projetos estão incluídos já no empreendimento municipal de construção de habitação acessível, contudo, outra parte, é suportado também pelo promotor do 'retail park'.

Conclusão da construção no segundo semestre de 2021

O Retail Park Diogo Botelho tem a conclusão da construção prevista para o segundo semestre de 2021. E, de acordo com a Predibisa, apresenta algumas características que o distinguem, como são as boas acessibilidades, já que se encontra perto dos eixos de entrada e saída da cidade, como é o caso do A1 e A3. Outro aspecto destacado é a boa visibilidade do empreendimento e a envolvente onde se destacam zonas residenciais de excelência da cidade (Foz do Douro, Campo Alegre, Boavista).

A zona do Fluvial, como é conhecida, deve o nome ao Clube Fluvial Portuense, a coletividade desportiva mais antiga da cidade, nascida em 1876, tendo atraído nos últimos anos um conjunto de investimentos significativos, especialmente comerciais e residenciais.

O Retail Park Diogo Botelho terá 236 lugares de estacionamento em cave e 40 lugares de estacionamento no exterior.