Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Produção na construção afunda 13,6% na zona euro no segundo trimestre

Quebra registada no segundo trimestre deste ano na zona euro, face ao período homólogo de 2019.

Photo by Adrian Deweerdt on Unsplash
Photo by Adrian Deweerdt on Unsplash
Autor: Lusa

A produção na construção na zona euro recuou 13,6% no segundo trimestre deste ano, em comparação com o período homólogo de 2019, afundando também 10% face aos três primeiros meses do ano, anunciou esta quinta-feira, dia 20 de agosto de 2020, o Eurostat.

Dados do gabinete de estatísticas comunitário revelam que, entre abril e junho de 2020, quando as medidas de contenção para a Covid-19 entraram em vigor e começaram depois a ser aliviadas, ambos os segmentos da produção na construção - construção de edifícios e engenharia civil - foram afetados, caindo na zona euro respetivamente 14,2% e 10,5% na comparação homóloga e 10,4% e 7,9% na variação em cadeia.

No conjunto da União Europeia (UE), a produção na construção caiu, no segundo trimestre, 12% face ao mesmo período de 2019, devido às quedas na construção de edifícios (12,5%) e engenharia civil (9,4%).

Relativamente ao trimestre anterior, o primeiro deste ano, registou-se no segundo trimestre um decréscimo de 8,9% no total da produção na construção na UE, em resultado das diminuições na construção de edifícios (9,2%) e engenharia civil (8%).

Eurostat
Eurostat

Só atentando no mês de junho, marcado pelo abrandamento das medidas restritivas para a pandemia, a produção na construção caiu 5,9% na zona euro e 5,8% na UE face ao mesmo mês de 2019. Ainda assim, houve uma melhoria mensal, com a produção na construção a recuperar em junho 4% na zona euro e 2,9% na UE face a maio de 2020.

Entre os Estados-membros para os quais existem dados disponíveis, os maiores aumentos mensais de junho foram verificados em França (+12,0%), Hungria (+6,1%) e Bulgária (+4,7%), enquanto as maiores descidas se registaram na Eslovénia ( 7,1%), Suécia ( 6,6%) e Eslováquia ( 4,9%).

Já na comparação homóloga, os maiores decréscimos na produção na construção foram observados na Eslováquia (17,8%), Hungria (15,7%) e Eslovénia (15,3%), com os maiores aumentos a serem observados na Roménia (+6,9%), Alemanha (+1,4%), Finlândia (+1,2%) e Holanda (+0,8%).