Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Mural de azulejos “Quem és Porto?” em risco de desaparecer

Composto por mais de 3.000 azulejos, foi pedido pelo município ao artista plástico Miguel Januário. Falta de acordo com proprietários é origem do problema.

Instagram ±MAISMENOS± https://www.instagram.com/maismenos/
Instagram ±MAISMENOS± https://www.instagram.com/maismenos/
Autor: Lusa

O mural “Quem és Porto?”, da autoria do artista portuense Miguel Januário, é o maior painel de azulejos comunitário da cidade, mas está em risco de desaparecer. A Câmara admite que a obra poderá mesmo ser retirada do local por falta de “consenso” com os proprietários do edifício.

“Efetivamente e, porque se trata de propriedade privada, e não se encontrando consenso entre os proprietários do prédio, a instalação não poderá permanecer naquele local”, disse a Câmara do Porto, em declarações à agência Lusa.

O mural “Quem és, Porto?”, composto por mais de 3.000 azulejos, foi encomendado pelo município do Porto ao artista plástico Miguel Januário (conhecido como ±MAISMENOS±), no âmbito do Locomotiva, um projeto de dinamização e animação do centro histórico lançado em 2014. A instalação contou com o envolvimento da comunidade local, especialmente no Largo da Estação de São Bento e Rua da Madeira. “Como é natural, sempre foi intenção da Câmara do Porto e da Ágora preservar esta instalação artística no seu local de origem”, referiu a autarquia.

Quando, em 2018, alguns azulejos da instalação começaram a cair, pondo em causa a integridade física de pessoas e bens, a Proteção Civil avaliou a situação e solicitou à empresa municipal Ágora (na época Porto Lazer) a reparação da fachada.

Empresa municipal notificada para repor fachada original

“Foram feitas diversas visitas com empreiteiros, com o artista e com a Proteção Civil, a fim de se avaliar a melhor solução”, assegurou a autarquia, acrescentando que nem todos os proprietários manifestaram acordo quanto à manutenção da obra “o que comprometeu a sua reparação imediata”. “A Ágora desenvolveu múltiplos contactos junto de cada um dos proprietários, a fim de garantir a concordância de todos”, indicou.

Segundo a Câmara do Porto, em junho, o artista plástico solicitou autorização para ser o próprio a dialogar com os proprietários e tentar sensibilizá-los para a importância da obra, mas a ação revelou-se “infrutífera, já que a vontade de um dos proprietários não se alterou”.

“A Ágora foi mesmo notificada para remover a instalação e repor a fachada original, situação, entretanto também reportada ao artista”, revelou o município, assegurando que, ao longo do processo, a empresa municipal manteve uma “posição de diálogo e conciliadora entre todas as partes” e que está “disponível para em conjunto com o artista encontrar possíveis alternativas”.

Na semana passada, num ofício dirigido ao presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, a vereadora Ilda Figueiredo, da CDU, questionou sobre as medidas a tomar pela autarquia para defender o painel de azulejos, afirmando que o mesmo se encontra em “ameaça iminente de ser destruído”.

Na missiva, a vereadora da CDU pediu para a Câmara Municipal do Porto intervir no processo, “se mostre ativa e disponível para apresentar e negociar com os proprietários um contrato” e que classifique a obra como sendo de interesse municipal para salvaguardar o património artístico da cidade.