Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

BCP absorve duas imobiliárias onde já injetou mais de 40 milhões

Autor: Redação

A Enerparcela e a Sadamora estão em vias de ser absorvidas pelo BCP. As duas empresas gestoras de imóveis chegaram ao banco, em 2013, integradas em fundos imobiliários que foram parar ao banco como forma de recuperação de créditos e já consumiram mais de 40 milhões de euros. Há mais empresas imobiliárias na órbita do banco liderado por Miguel Maya, mas não há qualquer integração mais prevista.

No projeto de fusão citado pelo Jornal de Negócios, com data de 11 de outubro, a transação é justificada "por razões de natureza regulamentar e estratégica, relacionadas com a gestão deste tipo de sociedades detidas direta ou indiretamente por BCP na sequência de processos de dação em cumprimento".

As duas empresas foram compradas este ano pelo banco, em preparação para a operação, e agora serão absorvidas e extinguidas. 

Ao todo, foram injetados nas sociedades 42,35 milhões de euros desde que os fundos seus detentores passaram para o BCP, em 2013. 

De acordo com o jornal, os custos com ambas poderão ser, contudo, mais extensos, tendo em conta que as empresas chegaram integradas em fundos cujos titulares não pagaram créditos e a sua entrega foi a forma encontrada de saldar a dívida.

Como chegaram estas empresas à esfera do banco?

A Enerparcela, segundo conta o diário, pertencia ao fundo imobiliário Multiusos Oriente desde 2010, e que, em 2013, foi adquirido em reembolso de crédito próprio pelo BCP. O banco passou a ser assim dono do fundo e, indiretamente, da empresa.

O mesmo aconteceu com a Sadamora, pertença do fundo Gran Urban, que entrou na consolidação do banco privado, também em 2013. Ambos eram geridos pela Interfundos, sociedade gestora do banco que teve na sua presidência Miguel Maya. 

Segundo os balanços individuais anexos ao projecto de fusão - que vão ser alvo de assembleias-gerais de obrigacionistas do BCP a 30 de novembro para se pronunciarem sobre "possíveis prejuízos" da transferência dos respecivos patrimónios -, a Enerparcela apresenta capitais próprios de 20,2 milhões de euros, ao passo que a Sadamora um total de 34,4 milhões. Valores residuais face aos quase 5,7 mil milhões de euros de capitais próprios do banco.