Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Novo Banco escolhe Av. da República para lançar novo conceito de balcões 'master'

Agências de grandes dimensões, com mais de 600 m2, são a nova aposta do banco. A primeira fica localizada junto ao Saldanha, no centro de Lisboa.

B.Prime
B.Prime
Autor: Redação

Com o encerramento de 20 balcões até final do ano, o Novo Banco decidiu apostar num novo modelo de agência, de grandes dimensões e localização privilegiada. E o primeiro chamado balcão 'master', a ser inaugurado pela instituição financeira liderada por António Ramalho, fica localizado em plena Avenida da República, junto ao Saldanha, em Lisboa. Com uma área de cerca de 750 metros quadrados (m2), o espaço da nova loja distribui-se entre r/c e cave, sendo de acesso fácil e mais evoluído tecnologicamente.

“Esta loja, em plena avenida e com uma ampla fachada, tem um potencial enorme. Numa altura em que o setor do retalho se ressente da pandemia, esta negociação foi concluída em tempo record no mês de julho, não só pela assertividade do arrendatário, como também pelo grande interesse nesta localização e pela qualidade do espaço, em si", diz, citada em comunicado, Paula Costa, responsável pela área de retalho, da B. Prime, a consultora imobiliária que colocou esta loja.

Este novo conceito de agência do Novo Banco dispõe de equipamentos digitais para a formalização de operações, de máquinas VTM (Virtual Teller Machine) para a realização de depósitos e levantamentos de notas, moedas e cheques. Estas agências contemplarão ainda espaços para a realização de reuniões com clientes e de outros eventos.

No que diz respeito ao segmento das lojas de rua, o facto de se estarem a expandir as áreas afetas às esplanadas, como resposta à pandemia, segundo a B Prime faz com que haja um maior fluxo de pessoas, nas ruas. "Esta medida tem vindo a auxiliar um setor que tem sido muito fustigado, pelo confinamento e pela quebra dos fluxos turísticos, e por isso em contraciclo à crise existem várias artérias da cidade de Lisboa, que continuam a registar uma elevada procura, como é o caso da Av. da República", pode ler-se na mesma nota.