Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

A vida louca dos eurodeputados: casas de luxo e salários de 8.000 euros mais ajudas de custo

Autor: Redação

Artigo escrito por Lucía Martín, colaboradora do idealista News.

eleições para o Parlamento Europeu já este domingo (dia 25). Campanha, propaganda eleitoral, gafes, críticas... mas quem são na realidade os eurodeputados e onde vivem? Que tipo de casas têm? Gostam de luxos ou preferem a sobriedade? Moradias ou apartamentos?

Bruxelas é o coração da União Europeia, instituições nacionais e regionais, ministérios, embaixadas, o quartel general da NATO. No centro urbano vivem cerca de 50.000 funcionários da Comissão Europeia, 20.000 lobbistas, 4.000 colaboradores, 2.500 diplomáticos, 200 membros das delegações regionais europeias, etc.

Cerca de 92.000 empregos dependem, direta ou indiretamente, das instituições internacionais e tudo se encontra à volta de Etterbeek, o bairro europeu. Nesta zona, situada entre o parque de Bruxelas e o cinquentenário Leopoldo Park, estão a Comissão e o Conselho Europeu, enquanto o Parlamento se encontra junto à Praça de Luxemburgo.

Aí é onde vivem os afortunados expatriados, com níveis de rendimento anuais acima dos 70.000 euros, uns 8.000 euros mensais de ajudas de custo e complementos, enquanto os habitantes de Bruxelas cobram cerca de 34.000 euros por ano. 

Com estes salários podem pagar rendas nos três complexos residenciais de alto nível do bairro, Trèves, Belview e The Cond’or: “Vivem em casas premium, desde estúdios de 40 metros quadrados (m2) a penthouses com mais de 250 m2”, explica um porta-voz da Optima, empresa que gere moradias nesta e noutras zonas de Bruxelas.

Os eurodeputados desfrutam destes edifícios em amplas zonas verdes, ginásios, piscina e todo o tipo de serviços: lavandaria, porteiro, gestor de necessidades de última hora (como a compra de entradas, bilhetes de avião, reservas nos melhores restaurantes...).

São edifícios com arquitetura de vanguarda para moradias com todos os detalhes de consumo energético e isolamento acústico e térmico, pelas quais pagam entre 800 e 900 euros por mês – para apartamentos com um quarto e uma superfície entre 40 e 50 m2 – ou entre 2.600 e 2.800 euros para os imóveis com mais de 200 m2. “Em média, os contratos de arrendamento assinam-se por três anos, prolongáveis até nove”, explica a mesma agência.

Um dos edifícios mais luxuosos é o Condror, que tem 72 apartamentos com parqué de roble, acabamentos em pedra natural, lareira, terraço, sistema domótico. No caso do interior das casas “stressar” estes inquilinos de topo, os eurodeputados podem perfeitamente sair para dar uma volta nas lojas de luxo existentes na zona, como a Versace ou a Dior, nos antiquários do bairro ou no mercado de antiguidades e livros, que se realiza todos os fins de semana.