Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Eco-aldeia à procura de pessoas e famílias para viver em comunidade no norte de Portugal

Autor: Redação

Passar a ter uma vida natural em total harmonia com a natureza, os animais e o planeta. Este é o convite para famílias e amigos vegetarianos que queiram viver em comunidade numa eco-aldeia no norte de Portugal, e que está a circular nas redes sociais há alguns meses, tendo já chegou à vizinha Espanha. 

O espaço onde a tua nova tribo se pode instalar está no norte de Portugal. São 120.000 metros quadrados de terreno, quatro casas meio reformadas, um imóvel grande em ruínas e outros dois pequenos antigos moinhos abandonados e um antigo hórreo de 1.860, segundo conta o site tunuevainformacion.com

A propriedade é banhada por um rio de água cristalina onde se pode tomar banho, num cenário marcado por rochas e grandes árvores.

Os mandamentos deste projeto de autosuficiência, alimentação respeituosa, espiritualidade, ecologia e educação livre:

1 - A eco-aldeia funciona de maneira democrática e as decisões tomam-se por consenso

2 - Cada qual vive num espaço privado (casa) e partilha os espaços comunitários

3 -  Existem hortas comunitárias para necessidades alimentares diárias e ciclicas

4 - Existem edificações comunitárias, como escola, padaria, oficina, etc.

5 - É assumida a educação das crianças

6 - Apenas é comericializado economicamente o que é produzido na comunidade

7 - Ajuda mútua para levar uma vida mais fácil e divertida

8 - Vive-se na aldeia desde o coração

9 - A presença na eco-aldeia deve ser livre de encargos económicos e dívidas

10 - A eco-aldeia é de alimentação vegetariana

11 - A eco-aldeia está vinculada ao seu entorno

12 - Faz-se fogo com lenha, medos e egos

"Em resumo, somos famílias que amamos a natureza e reduzimos o âmbito das necessidades e a dependência do dinheiro. Autogestionamos a saúde, a educação, a alimentação, a energia, a ajuda mútua e tudo o que seja necessário", pode ler-se no anúncio publicado pela eco-aldeia vegetariana, frisando ainda que "cada qual vive no seu espaço, compartindo atividades, terras e crescimento individual e grupal".