Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Lisboa, a cidade com maior esforço salarial para pagar rendas na Europa (6ª no mundo)

Hong Kong regista a taxa de esforço mais alta do mundo: quase 80% dos rendimentos mensais são para pagar as rendas das casas. / Gtres
Hong Kong regista a taxa de esforço mais alta do mundo: quase 80% dos rendimentos mensais são para pagar as rendas das casas. / Gtres
Autor: @davidmarrero

As famílias dedicam grande parte dos seus rendimentos para pagar as rendas das casas onde vivem. Segundo os especialistas, aplicar mais de 30% do salário para este fim coloca em risco a economia doméstica. A partir de dados de um estudo do Deutsche Bank conclui-se que Hong Kong, Cidade do México e Shanghai são as cidades do mundo que exigem maior esforço aos cidadãos que vivem de arrendamento, chegando a superar os 60%. E Lisboa lidera o ranking europeu, com uma taxa de esforço superior a 50%.

Viver nas grandes cidades do planeta está a converter-se em algo cada vez mais complicado para os assalariados médios. O VII Estudo do Deutsche Bank ‘World Prices 2019’ permite fazer diferentes leituras sobre as principais urbes do mundo. Desde o ranking do nível de vida, até informação do salário médio, o preço de uma renda média ou o custo que implica passar um fim de semana de férias.

Tendo por base alguns dados deste relatório, pode medir-se, por exemplo, a capacidade de um agregado para pagar a casa onde vive e a sua taxa de esforço salarial, ou seja, a parte de salário destinada à renda. Para isto, foi tomado em consideração o ordenado líquido médio mensal e o preço médio do arrendamento de um apartamento com dois quartos (T2). Ao ser um lar onde podem viver duas pessoas, foi calculada uma taxa de esforço sobre dois salários completos face ao arrendamento.

China, México e Brasil, onde é mais dífícil suportar os custos do arrendamento

Com este exercício, Hong Kong aparece entre as principais cidades do planeta com a maior taxa de esforço (76,8%), apresentando as rendas mais caras do mundo, com um valor médio de 3.300 euros. Com um total de 4.340 de sálário médio mensal por casal, pouco resta para viver depois de pagar a renda.

Seguem-se Cidade do México (61,5%) e Shangai (60,5%). Apesar de que as rendas na capital mexicana não sejam das mais altas, pouco mais de 700 euros, os baixos salários fazem com que a taxa de esforço dispare, tendo em conta o salário conjunto de duas pessoas, no valor de 1.149 euros. A cidade chinesa, por seu lado, alcança rendas próximas dos 1.300 por mês, sendo que a soma média do salário conjunto é de 2.142 euros. 

Saindo do TOP3, damos um salto até à América do Sul, onde a taxa de esforço é de 56,8% em São Paulo e 55,5% no Rio de Janeiro, mostrando que mais de metade dos rendimentos nestas duas cidades do Brasil de baixos salários se destinam a pagar as rendas - que rondam os 600 e 570 euros respetivamente.

Mais de metade dos salários dos lisboetas é para pagar a renda da casa

E um cenário parecido acontece em Lisboa, que é a primeira cidade europeia que aparece no ranking mundial. Os habitantes da capital portuguesa têm de dedicar 50,4% do salário para pagar as rendas das casas onde vivem, tendo por base um arrendamento médio de 923 euros. Entre as 10 principais cidades com maior esforço salarial para o pagamento da renda aparecem Paris (47,9%) e Milão (40,5%).

Madrid surge a meio da tabela, ocupando o 19ª lugar, com um esforço salarial de 33,4% para um arrendamento médio de 1.80 euros e um salário médio conjunto de 3.239 euros. A capital espanhola está, em termos de taxa de esforço, equiparada a outras grandes cidades do planeta como Tóquio (33,3%), Amesterdão (33,2%) ou Nova Iorque (31,5%).

E no ranking da taxa de esforço surgem também exemplos de grandes cidades onde o pagamento do arrendamento não asfixia as economias das famílias. Onde apesar das rendas altas, os salários altos compensam e reduzem o esforço. Os principais exemplos são São Francisco (27,8%), Boston (25,7%) e Zurique (21,5%).

Taxa de esforço do planeta vista à lupa 

  Cidade Salário mensal (2 pessoas) Renda mensal (euro)  Taxa de esforço
1 Hong Kong 4340,8 3333,9 76,8%
2 Cidade do México  1149,0 706,6 61,5%
3 Shanghai (China) 2142,4 1295,6 60,5%
4 São Paulo (Brasil) 1056,7 599,8 56,8%
5 Rio de Janeiro (Brasil) 1027,8 570,9 55,5%
6 Lisboa (Portugal) 1833,0 923,7 50,4%
7 Moscovo (Rússia) 1865,5 904,7 48,5%
8 Paris (França) 4641,2 2221,1 47,9%
9 Istambul (Turquia) 783,5 333,8 42,6%
10 Milão (Itália) 3114,0 1262,1 40,5%
       
12 Londres (Reino Unido) 5348,7 2115,2 39,5%
13 Roma (Itália) 2761,2 1046,8 37,9%
       
19 Madrid (Espanha) 3238,9 1080,2 33,4%
       
30 São Francisco (EUA) 11808,4 3285,0 27,8%
       
41 Zurique (Suíça) 10668,5 2296,2 21,5%
       
43 Chicago (EUA) 7349,9 1381,5 18,8%
        Fonte: Deutsche Bank