Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

A beleza horrível do “brutalismo”: edifícios considerados “feios” durante décadas que agora estão na moda (fotos)

Autor: Redação

Para os profanos da arquitetura os edifícios brutalistas não são mais que horríveis “montes” de betão que evocam o futuro pós-apocalíptico que tantas vezes vimos nos filmes de Hollywood. O tamanho excessivo, as fachadas frias com pequenos adornos e as fortes formas geométricas fizeram com que durante décadas estas construções fossem consideradas horrorosas pelo comum dos mortais. Hoje recuperaram o seu esplendor graças ao êxito da literatura e do cinema de ficção científica.  

A arquitetura brutalista ganhou este nome através da expressão francesa “béton brut”, que significa “betão em bruto”, terminologia usada por Le Corbusier para descrever a sua escolha de materiais. O critico de arquitetura britânico Reyner Banham adaptou a terminologia e renomeou-a de “brutalismo”. 

A época de glória desta arquitetura sóbria de ar soviético foi vivida entre as décadas de 1950 e 1970, anos marcados pelo fim da Segunda Guerra Mundial, pelas utopias comunistas e pelo renascimento social. Desde então, o “brutalismo” caiu em desgraça até que realizadores como Terry Gilliam ou Paul Verhoeven o recuperaram para obras-primas da ficção científica como “Brazil: O Outro Lado do Sonho” (1985) e “Desafio Total” (1990).

Vê, em baixo, alguns exemplos deste tipo de construção:

Habitat 67: Montreal (Canadá)

Biblioteca Geisel: San Diego, EUA

Tribunal de Buffalo: Buffalo (EUA)

Edifício J. Edgar Hoover: Washington (EUA)

Teatro Nacional: Londres (Reino Unido)

Edifício do Parlamento: Bangladesh 

Câmara Municipal de Sorocaba: São Paulo (Brasil)

Torre Trellick: Londres (Reino Unido)

Universidade de Leeds: Leeds (Reino Unido)

Universidade de Toronto: Toronto (Canadá)

Edifício Western City Gate: Belgrado (Sérvia)