Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Eis o arranha-céus de madeira mais alto do mundo

Construído em madeira
Fica na Noruega / Voll Arkitekter
Autor: Redação

A madeira tem sido um dos materiais mais utilizados na construção ao longo da história, pelo baixo custo e facilidade de trabalhá-la. No entanto, com a Revolução Industrial, passou para segundo plano, com a força de novos materiais, como ferro, aço e, posteriormente, cimento, a mostrarem-se mais resistentes e adequados para uma nova era da indústria.

Agora, muitas décadas depois, as mudanças tecnológicas e a preocupação com o meio ambiente revalorizaram a madeira como material de grande importância. Tão bem-sucedido que já existem arranha-céus construídos com este material. O mais recente foi erguido na Noruega, e detém o título de edifício mais alto do mundo construído com este material.

Um símbolo ecológico

Há um movimento mundial de construções ecológicas
O edifício foi terminado em março / Voll Arkitekter

Em março passado, a arquitetura europeia ganhou um novo marco, desta vez na fria Noruega. Com a conclusão da Torre Mjosa em Brumunddal, a cerca de 110 quilómetros de Oslo, o país escandinavo conta agora com a maior construção em madeira do mundo, projetada por Voll Arkitekter. As medidas são assustadoras: os 18 andares ultrapassam os 85,4 metros de altura. Segue à frente do edifício HoHo Wien na Áustria (84 metros) e do Mosteiro Peri-Săpânţa Mosteiro na Roménia (75 metros).

Sendo um edifício de madeira, a segurança contra incêndio foi uma das principais preocupações dos seus criadores durante o processo de design. Tem todas as medidas de segurança necessárias contra este perigo: foi construído com materiais capazes de suportar um fogo até 90 minutos antes de destruir-se.

A madeira utilizada é conhecida como Kerto LVL, um ambiente material muito amigo do meio ambiente. Embora o esqueleto e a fachada do edifício tenham sido construídos com madeira, nos andares superiores, onde estão localizados os apartamentos, também foi utilizado cimento.

Tudo é de madeira: exterior e interior
Fachada e escada interior / Voll Arkitekter
A Torre Mjösa tornou-se em algo mais do que o símbolo de um país comprometido com a sustentabilidade ecológica. Também representa um movimento mundial para mudar as tendências da construção, com o objetivo de encontrar fórmulas sustentáveis ​​com pouco impacto ecológico, sem implicar uma renúncia à qualidade e conforto.

As imagens do interior...

Elementos decorativos relacionados com a natureza
Entrada / Voll Arkitekter
Um edifício tem um uso misto
Zona de restauração / Voll Arkitekter
Vistas impressionantes
Quarto / Voll Arkitekter
100% estilo nórdico
A madeira também é protagonista no interior / Voll Arkitekter

O Japão vai superá-la em duas décadas

Se nada ou ninguém o impedir, a marca alcançada pela torre norueguesa tem dias, ou melhor, anos contados. A fama do projeto pode ser efémera pelo facto de estar a ser desenvolvido em Tóquio um edifício conhecido como W350.

Se os prazos forem cumpridos, no ano de 2041, Tóquio terá o arranha-céus de madeira mais alto do mundo. Ao contrário da torre escandinava, o prédio japonês fará parte de um bairro voltado para a sustentabilidade, com 70 prédios construídos exclusivamente em madeira, aço e vidro. O complexo vai estender-se por uma área de 6.500 m2.

O complexo vai estender-se por uma área de 6.500 m2
W350 em Tóquio será uma realidade em 2041 / Pinterest

Este ambicioso projeto resulta de um trabalho do arquiteto Nikken Sekkei, em colaboração com a empresa de construção japonesa Sumitomo Forestry. Na verdade, esta empresa vai cumprir, em 2041, 350 anos, pelo que o nome do arranha-céus também será uma forma de lhe prestar homenagem.

O interior da torre W350 será tão impressionante quanto a sua aparência externa, e abrigará lojas, escritórios e um hotel, bem como casas particulares, terraços, cascatas e jardins suspensos. Os custos de construção, cerca de 600.000 milhões de ienes (cerca de 4800 milhões de euros), serão o dobro em comparação com os de um edifício convencional, mas o objetivo do projeto é também dar nova vida à indústria da madeira, especialmente importante para algumas áreas rurais do Japão.

O edifício também tem um importante valor simbólico, uma vez que permite fundir a modernidade com a tradição, nomeadamente através das formas sinuosas e constantes referências a elementos naturais, bem como pelo seu design tecnológico e interior de vanguarda.