Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Influencer compra a casa mais pequena da Alemanha: 7 m2 anunciados por 78.000 euros

Youtube
Youtube
Autor: Antonio Martínez (colaborador do idealista news)

A casa mais pequena da Alemanha tem um novo dono. A transação tem muito de curioso, mas também dá algumas pistas sobre a situação do mercado imobiliário alemão. Fynn Kliemann, influencer de 32 anos com mais de um milhão de seguidores, partilhou o negócio no seu perfil de Instagram com orgulho: "acabei de comprar a casa certificada como sendo a mais pequena na Alemanha”. Este músico, artista, designer de moda e youtuber disse aos seguidores que nos próximos dias daria mais detalhes da aquisição:  “São sete m2 de casa em quatro m2 de área construída. Vai ser uma obra de engenharia colocar uma cama lá dentro”, escreveu.

A história não passaria de uma “anedota” se não fosse pelo facto de a mediadora, a imobiliária suíça Kensington, com ampla presença na Alemanha e dois escritórios nas Ilhas Baleares, ter revelado o preço do imóvel e alguns detalhes da candidatura para o obter. Kliemann não disse quanto pagou, mas o preço divulgado pela agência foi de 77.777 euros por esses 7 m2, um valor de cerca de 10.000 euros/m2.  O youtuber conseguiu vencer a corrrida de licitação contra outros alemães interessados na casa, além de investidores dos Estados Unidos e da China. No total, cerca de 150, segundo a Kensington.

O objetivo do comprador, conhecido entre outros pelos seus vídeos de obras no YouTube, é que se possa realmente viver naquele espaço mínimo. E este é o seu desafio. Atualmente, a casa tem uma cama na cobertura e, no piso principal, uma casa de banho mínima com duche, uma bancada de cozinha onde mal cabem os pratos, e um open space com uma mesa, para além de uma pequena cave. Pouco mais.

Mas a casa tem uma história. No passado, a propriedade teve todo o tipo de utilizações: foi galinheiro e cisterna de água, enquanto o último proprietário a utilizava como escritório. “Com calma contarei algo mais sobre o assunto”, diz Kliemann na sua mensagem no Instagram.

A casa, por se tratar de um edifício completo, embora extremamente pequeno, está localizada em Bremen. Em Schnoor, o coração do centro histórico desta cidade alemã de mais de meio milhão de habitantes. É o antigo bairro de pescadores, a apenas alguns quarteirões de estreitas ruas de pedestres - às vezes becos por onde quase ninguém passa - com edifícios pitorescos, a maioria deles construídos entre os séculos XV e XVIII e muitos deles cuidadosamente restaurados nas últimos décadas. Schnoor, legalmente protegida com a categoria de monumento, foi incluída na lista de "Ruas mais bonitas do mundo" do jornal americano New York Post. O bairro está repleto de cafés e restaurantes, boutiques, oficinas de artistas e recantos verdes. E também turistas, pelo menos até o início da pandemia.

A área tem charme como poucos centros urbanos na Alemanha, mas o preço da casa mais pequena do país inclui outra coisa. De acordo com o portal Scoperty, que estima os preços das casas na Alemanha graças a uma série de variáveis, calcula que o m2 em Schnoor está entre 3.500 e 5.500 euros, muito longe, no melhor dos casos, dos supostos mais de 10.000 euros pagos por m2 da nova casa Kliemann. Além disso, Bremen é considerada uma das grandes cidades mais baratas do país. De acordo com o Postbank Housing Atlas 2020, o m2 foi pago em média entre 2.100 e 2.500 euros em Bremen. Em comparação, em Munique ultrapassou os 8.000 euros, em 5.600 em Frankfurt e 5.000 em Hamburgo.

Esta aquisição não é a primeira investida de Kliemann no mercado imobiliário. Há alguns anos comprou uma antiga quinta em Elsdorf, nos arredores de Bremen, e iniciou uma oficina para artistas chamada "Centro para Criativos". Ele também adquiriu um prédio construído na época da antiga República Democrática Alemã (1949-1989) em Koldenhof.