Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

O plano estratégico da dona da Zara para combater a crise da Covid-19

Fecho de mais de mil pequenas lojas, abertura de 150 espaços maiores e de qualidade, e investimento de mil milhões para fomentar o negócio online.

Wikipedia
Wikipedia
Autor: Redação

Pela primeira vez na sua história de quase 20 anos de empresa cotada, a Inditex sofreu prejuízos no primeiro trimestre deste ano. A gigante do retalho de vestuário - dona de marcas como a Zara ou Massimo Dutti - foi uma das vitimas diretas da pandemia da Covid-19, registando um resultado líquido negativo de 409 milhões de euros. Mas em vez de baixar os braços, o grupo espanhol surpreendeu, esta semana, o mercado com um plano estratégico que passa, sobretudo, por acelerar a expansão do negócio digital.

O foco dos próximos três anos do grupo fundado por Amancio Ortega serão assim as vendas online. Entre 2020 e 2022, a Inditex prevê investir 900 milhões de euros por ano, num total de 2,7 mil milhões de euros. E desse montante, mil milhões de euros estão destinados para o segmento digital. Entre os investimentos anunciados está contemplada a abertura de um estúdio de 64 mil metros quadrados (m2) em Arteixo, na Galiza, destinado apenas às vendas online da Zara.

O objetivo é que, no final deste período, mais de 25% das vendas do grupo sejam feitas pela Internet - contra os 14% do ano passado. Em abril, as vendas online do grupo dispararam 95%. No trimestre, a subida foi de 50%.

Ainda em 2020, a Inditex espera finalizar um sistema que permite seguir as encomendas de todas as marcas do grupo em tempo real, que atualmente está apenas disponível para a Zara, Massimo Dutti e Uterque, e ter ainda o inventário completo de todas as marcas digitalizado.

Também o negócio fisico vai ser reestruturado, com o fecho de entre 1.000 e 1.200 das suas lojas até 2021, a um ritmo de 500 a 600 por ano, sobretudo espaços mais pequenos. Em paralelo, pretende apostar na abertura de 150 lojas de maior dimensão por ano, até 2022.

Em março, no final do primeiro trimestre, a empresa controlada pelo bilionário Amancio Ortega tinha apenas 965 lojas abertas da sua rede total de 7.400. Nesta altura a situação já é bem diferente, com perto de 6.000 lojas abertas, o que representa perto de 78% da rede.

Com muitas lojas encerradas, a Inditex sofreu uma queda recorde de quase 50% nas vendas, para 3,3 mil milhões de euros, contra quase 6 mil milhões de euros no período homóloga. Já o EBITDA desceu 70% para 484 milhões de euros.