Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Maiores feiras de jardinagem e decoração de exteriores do Norte até sábado na Exponor

Expojardim e Urbangarden reúnem mais de uma centena de expositores, de várias nacionalidade, em Matosinhos

Exposalão
Exposalão
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

Matosinhos vai ser, entre hoje e sábado, dia 08 de fevereiro de 2020, o centro do mundo da jardinagem, decoração de espaços exteriores e ambiente urbano. Mais de uma centena de expositores, de diversas nacionalidades - portugueses, espanhóis, italianos, franceses e dinamarqueses -, estão presentes na Expojardim e Urbangarden, duas feiras que estão a decorrer na Exponor e são dirigidas, sobretudo, ao público profissional. 

A 22.ª edição da Expojardim (feira de plantas, flores, mobiliário urbano e de jardim, piscinas e acessórios, equipamentos, máquinas e acessórios para jardinagem) une-se novamente à Urbangarden (feira nacional de ambiente urbano), reunindo “uma grande variedade de expositores do ramo de equipamentos, produtos e serviços relacionados com a jardinagem e ambiente urbano”, destaca ao idealista/news José Pereira, diretor das feiras.  

O certame é organizado pela Exposalão, que nasceu na Batalha em 1992, e que é hoje o maior centro de exposições ibérico privado, dinamizando cerca de 20 certames anualmente, dos mais variados sectores. Alguns são, atualmente, “marcas-referência para os ramos de atividade que promovem”, refere o responsável.  

Cativar mercado do Norte de Portugal e Espanha 

Também a Expojardim nasceu na Batalha, há cerca de 20 anos, e desde aí consolidou-se como a principal feira de jardim do país. “A necessidade de fazer crescer a feira e introduzir juntamente o conceito da Urbangarden fizeram-nos evoluir para Lisboa, na FIL, em 2019, e para o Porto, Exponor, em 2020”, explica José Pereira. “Pensamos que foram duas apostas ganhas, desde logo pelo entusiasmo que fomos recebidos pelos expositores e visitantes, e serão duas apostas para continuar. Anos ímpares na FIL, anos pares na Exponor”, precisa. 

José Pereira explica que “em Portugal não existia nenhum evento do setor, e ao trazermos para o Porto (Exponor) estamos a posicionar o evento, para além do nosso país, para abranger também o mercado do norte de Espanha (Galiza)”. 

Frisa ainda que, enquanto o posicionamento da Expojardim é o de uma feira para os profissionais do setor da área da jardinagem e afins, a Urbangarden “foi criada para suprimir uma necessidade em Portugal de dar visibilidade, enquanto negócio, ao conceito relacionado com o mobiliário urbano e urbanismo”.  

A aposta na sustentabilidade como exigência perene  

Sendo a Expojardim o conceito com que tudo começou, com a introdução da Urbangarden, a Exposalão quis focar-se também no urbanismo em geral e em particular nas soluções para o ambiente urbano. “A atenção à sustentabilidade já não é a tendência ou a moda de momento, mas a exigência perene do planeamento dos jardins e das cidades, em todas as suas vertentes, e em particular na gestão dos espaços verdes e do mobiliário urbano”, frisa José Pereira. Será este o tema dominante na feira Urbangarden 2020. 

Assim, neste certame estarão disponíveis diversas soluções para os ambientes urbanos, “como estruturas ecológicas urbanas, mobiliário e equipamento, espaços e pisos desportivos, parques infantis, iluminação pública, sinalética urbana, pavimentos e revestimentos, soluções de valorização energética, entre outras soluções tais como manutenção e ornamentação urbana, tratamento de água, entre outros”. 

Resultados esperados são os melhores 

“As feiras modernas e profissionais, hoje em dia, não são medidas essencialmente pela faturação que geram no imediato – vendas realizadas na feira – mas sim pelas encomendas futuras, aquisição de novos clientes, e projeção de imagem, trabalho esse que dará frutos nos meses seguintes”, aponta o diretor a propósito dos resultados esperados.

Nesse sentido, argumenta que “quantificar esse número não é a forma mais credível de medir o resultado da feira”. Todavia, “aferir a satisfação dos expositores no final da mesma, e o feedback que vamos obtendo nos meses seguintes, esse sim é o barómetro pelo qual medimos o cumprimento dos objetivos que nos propomos, e cujos os resultados nos últimos anos tem-nos motivado a continuar e a apostar neste conceito”, refere José Pereira.  

Conferências e workshops suscitam interesse 

Os três dias do certame são acompanhados por um conjunto de conferências e workshops sobre os temas relacionados com a sustentabilidade ambiental, tratamento dos espaços verdes e dos espaços públicos e que reúnem um conjunto de especialistas ligados a estas áreas. 

“Ficámos muito entusiasmados com o interesse gerado pelos diversos líderes de opinião do setor e entidades políticas e o interesse publico pelo tema deste evento e pelos conteúdos pertinentes que se propuseram debater” frisa o responsável, dando nota que, por isso, foi traçado um "programa de workshops e palestras que julgo bastante interessante e pertinente”. 

Embora sejam feiras profissionais, estão também abertas ao público em geral, interessado no tema. As duas feiras decorrem das 10h às 20h e o preço do bilhete, à venda na Ticketline, custa 5€ por pessoa.