Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Autarquia tem "um plano para aumentar a estadia média dos turistas” em Guimarães

Sofia Ferreira, vereadora do Turismo da Câmara de Guimarães / CMG
Sofia Ferreira, vereadora do Turismo da Câmara de Guimarães / CMG
Autor: Elisabete Soares (colaborador do idealista news)

O pouco tempo que os turistas ficam na cidade, apontado por visitantes e comerciantes locais, é reconhecido pela Câmara Municipal de Guimarães. Em entrevista ao idealista/news, a vereadora do Turismo assume que é uma prioridade subir o tempo médio de permanência dos turistas na cidade. Para atingir este objetivo foi desenvolvido o estudo Estratégia de Posicionamento da Marca Guimarães, cujas conclusões serão apresentadas "muito em breve". Sofia Ferreira explica o que está em causa, faz uma análise ao setor e adianta novidades.

O que está a fazer a CM de Guimarães para aumentar o período de permanência dos turistas na cidade? 

Devido à existência de uma elevada e diversificada oferta de recursos turísticos no Norte de Portugal, bem como ao potencial de desenvolvimento económico e social que o turismo pode gerar, é crucial que Guimarães se afirme, cada vez mais, como um destino turístico aliciante através da qualidade e diversificação da oferta, bem como pela criação de estratégias inovadoras de promoção que lhe confiram uma identidade única e genuína.  

Pretendemos que Guimarães assuma de facto o seu protagonismo histórico e identitário no panorama turístico, ao nível regional e nacional e internacional.

De que forma em concreto?

A autarquia desenvolveu o estudo “Estratégia de Posicionamento da Marca Guimarães”, cujas conclusões serão apresentadas muito em breve e que estará na base da criação de novas sinergias, assentes nos vimaranenses, no território e nos stakeholders públicos e privados do concelho, valorizando-o, no sentido de o tornar diferenciador.  

Pretende-se, desta forma, com os planos de ação daqui resultantes, que Guimarães assuma de facto o seu protagonismo histórico e identitário no panorama turístico, ao nível regional e nacional e internacional, com vista a garantir um desenvolvimento sustentável de todo o concelho. 

Estas medidas podem incluir pacotes com destinos mais abrangentes de que façam parte outras cidades vizinhas? 

A realidade do Turismo não é estática, mas sim dinâmica. Para o turista, não existem fronteiras dentro de um mesmo país ou mesmo dentro da Europa. Verificamos que o turista do século XXI é bem mais exigente que no passado, tendo abandonado uma posição contemplativa, procurando cada vez mais interatividade e experiências únicas. 

É neste sentido que Guimarães tem vindo a trabalhar, procurando sensibilizar os agentes privados e operadores turísticos, com os quais realizamos encontros periódicos, para os benefícios da estruturação da oferta, da diversificação e da criação de novos produtos. 

O município de Guimarães está sempre aberto a realizar parcerias promocionais com outros municípios e operadores do território. 

A ideia é promover Guimarães de forma isolada ou dentro da Região Norte?

A cidade aposta ativamente na promoção integrada no território norte, através da Entidade Regional de Turismo (TPNP), designadamente nas feiras do mercado ibérico. Já nos grandes mercados internacionais, Portugal é representado por regiões, através das agências regionais de Turismo, ganhando, por essa via, a escala necessária para competir ao nível mundial. 

Nas feiras de turismo, nacionais e internacionais, onde temos marcado presença, realizamos reuniões de trabalho, previamente agendadas com os “hosted buyers” europeus e mundiais, onde apresentamos Guimarães, mas sempre integrando na diversidade do território no Norte de Portugal. 

É partindo destas premissas, e estando bem cientes dos benefícios que advêm do trabalho em rede, que o município de Guimarães está sempre aberto a realizar parcerias promocionais com outros municípios e operadores do território. 

O objetivo de Guimarães é aumentar o tempo médio de permanência dos turistas, somos ambiciosos e sabemos que temos condições para crescer. Iremos dar o nosso melhor contributo e reunir esforços para que, a médio prazo, possamos atingir a média registada no Porto (2 dias).

 A curto/médio prazo qual é o objetivo traçado pela autarquia em termos de tempo médio de permanência dos turistas?  

 O objetivo de Guimarães é aumentar o tempo médio de permanência dos turistas, somos ambiciosos e sabemos que temos condições para crescer. Mas pensamos ser, de igual modo, bastante importante a fidelização dos turistas, por forma a garantir que regressem, se possível mais do que uma vez, ao nosso destino. 

Neste momento, os números do INE indicam que Guimarães está em linha com a realidade da região norte do país, e, mais em concreto, com outros destinos da região com 1,7 dias de permanência (INE, Anuário Estatístico da Região Norte 2017).  Contudo, iremos dar o nosso melhor contributo e reunir esforços para que, a médio prazo, possamos atingir a média registada no Porto (2 dias), a qual, em rigor, não se encontra muito distante da nossa realidade atual. 

 A CMG sabe qual é o tempo médio de permanência dos turistas na cidade, principais nacionalidades e receitas médias? 

Espanha, França, Brasil, Alemanha e Portugal surgem como os principais mercados emissores para o destino Guimarães. 

 A autarquia realiza permanentemente um trabalho de monitorização da actividade turística na cidade, com vista a conhecer as tendências, o perfil dos visitantes, as suas motivações, expetativas e a perceção das suas experiências. Os dados estão disponíveis para consulta.

Reportando-nos aos anuários estatísticos do INE referentes aos últimos anos, verificamos que o tempo médio da estada dos visitantes nos estabelecimentos de alojamento é de 1,7 dias, registando-se uma proporção média de 50% de hóspedes estrangeiros. 

Espanha, França, Brasil, Alemanha e Portugal surgem como os principais mercados emissores para o destino Guimarães. 

Estamos a trabalhar para criar, a curto prazo, o Observatório do Turismo de Guimarães. 

Relativamente aos proveitos provenientes da atividade turística, não dispomos, no momento, de dados concretos, mas estamos a trabalhar nesse sentido, nomeadamente na criação, a curto prazo, do Observatório do Turismo de Guimarães. 

CMG
CMG

A  oferta de alojamentos turísticos/hotelaria é apontada como um dos factores que está limitar a permanência de turistas na cidade. Concorda?

Estamos convictos de que, neste momento, a oferta de alojamento não se apresenta, em regra, como um dos factores limitadores da permanência de turistas na cidade

Estamos convictos de que, neste momento, a oferta de alojamento não se apresenta, em regra, como um dos factores limitadores da permanência de turistas na cidade, pois a oferta de alojamento é vasta e diversificada para corresponder à procura. 

Falamos em regra, porque perante situações excepcionais, como é o caso da realização de grandes eventos e congressos na cidade, registam-se, pontualmente, alguns constrangimentos na  resposta à procura. 

Há projetos privados em desenvolvimento? 

Os indicadores da procura revelam que em Guimarães, a par da região norte, verifica-se um crescimento da procura turística, pelo que se torna importante que a oferta de alojamento acompanhe essa tendência da procura. 

Nesse sentido, e perspetivando o futuro próximo, a autarquia está receptiva e encorajar a iniciativa privada no que respeita a projectos de investimento em novos empreendimentos turísticos no concelho. 

A autarquia está receptiva e encorajar a iniciativa privada no que respeita a projectos de investimento em novos empreendimentos turísticos no concelho.