Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Como vão ser as férias de verão dos portugueses este ano

Photo by Denis Oliveira on Unsplash
Photo by Denis Oliveira on Unsplash
Autor: Redação

Quando chega a hora de marcar férias entre os meses de junho e setembro, a grande maioria dos portugueses (77%) decide abandonar o conforto do lar e procurar relaxar noutro destino. Dentro de Portugal, a escolha recai sobretudo sobre alojamentos turísticos no Algarve. Já quem vai passar as férias no estrangeiro, vai principalmente para Espanha.

Neste verão de 2019, “77% dos portugueses vão fazer férias fora de casa no período de junho a setembro deste ano, um valor próximo do apurado em igual período de 2018 (80,4%)”, revela um estudo do IPDT que teve o apoio da Soltrópic, dado a conhecer esta semana.

Ainda assim, “a expetativa para o gozo de férias é muito positiva com o Algarve a ser o destino de eleição, numa escolha que coloca Portugal no topo das preferências para 40% dos inquiridos”, diz em comunicado, citado pela Lusa, o presidente do Instituto de Planeamento e Desenvolvimento do Turismo (IPDT), António Jorge Costa.

No que se refere aos gastos nas férias, as estimativas apontam para uma média de 434 euros, a que corresponde a um gasto unitário de 59 euros por noite, “um consumo semelhante ao de 2018”.

De acordo com os dados do IPDT, entre os inquiridos, dos que optam viajar para o exterior, 28% elegem a Europa como destino, destacando-se Espanha.

Segundo o estudo, cerca de 44% dos inquiridos declarou que já fez reserva das férias através da internet, sendo a principal motivação para a viagem o sol e o mar (61%), seguindo-se a cultura (12%) e a natureza (9%).

No que se refere ao alojamento, os hotéis de quatro estrelas são a opção favorita para 29% dos inquiridos, seguindo-se as moradias ou apartamentos alugados (18%) e a casa de familiares ou amigos (13%).

Por sua vez, 72% das intenções de férias estão concentradas em estadias até sete noites, sendo que a maioria prefere o mês de agosto para gozar férias. Este estudo foi elaborado tendo por base 538 questionários, recolhidos entre 10 e 30 de maio.