Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Crédito à habitação: mais de 90% dos empréstimos em Portugal já estão com taxa negativa

Autor: Redação

Perto de 1,49 milhões de contratos de crédito à habitação em Portugal já têm taxas negativas. No final da semana passada, a Euribor a seis meses (a mais utilizada no mercado nacional) atingiu pela primeira vez valores abaixo de zero (-0,002%), sendo que o indexante a três meses está em território negativo desde abril passado.

Na maturidade a três meses, os valores negativos da Euribor já se refletem na prestação de todos os contratos de crédito à habitação, diz o Diário Económico, salientando que no caso das hipotecas a seis meses, a expectativa é de que os valores negativos se reflitam nos contratos cuja revisão da taxa ocorra no próximo mês. 

Para os restantes contratos, segundo o jornal, a possibilidade de existir o efeito da Euribor negativa depende da evolução desta taxa nos próximos meses, mas o mercado aparenta contar que se mantenha em valores negativos no próximo ano.

Uma consulta feita pela Bloomberg, citada pelo Diário Económico, junto de mais de 20 bancos de investimento mostrou que a expetativa é de que a Euribor se mantenha em valores negativos até ao final do terceiro trimestre de 2016. Apesar destas estimativas incidirem para a taxa a três meses, o mesmo poderá ocorrer no indexante a seis meses.

Como se refletem os indexantes negativos no crédito da casa?
Se a média mensal da Euribor a seis meses se fixar num valor negativo em novembro, quem revir a taxa de juro do seu crédito à habitação em dezembro, vai ver descontado do ‘spread’ esse valor.

Caso as Euribor sejam negativas e o ‘spread’ (margem de lucro do banco) for baixo, poderá acontecer o banco ter de ‘pagar’ o dinheiro emprestado pelo cliente, através do abatimento no capital em dívida, esclarece o jornal.

Contudo, tendo em conta que existem poucos créditos com ‘spreads’ muito próximos da fasquia de 0%, e que o mercado não antevê que os indexantes possam assumir valores muito negativos, à partida essa situação não deverá acontecer.

Os bancos podem recusar-se a aplicar indexantes negativos?
Não, segundo declara o Diário Económico, recordando que, quando no final de março a Euribor a um mês seguia negativa e os indexantes para prazos mais alargados ameaçavam entrar também em terreno negativo, o Banco de Portugal (BdP) emitiu um comunicado a esclarecer que as instituições financeiras eram obrigadas a cumprir com as condições estabelecidas nos contratos de crédito indexados às Euribor, mesmo quando o indexante apresentasse um valor negativo.