Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Crédito à habitação: há bancos que já pagam para que mudes o empréstimo da casa

Autor: Redação

Depois de baixar os spreads, agora a banca está a sacar de outras 'armas' para tentar roubar clientes à concorrência no negócio do crédito à habitação. E comparticipar as despesas associadas à transferência do empréstimo da casa é uma das estratégias que os bancos estão a recuperar. Para os clientes interessados em transferir o crédito, pode significar poupanças a partir de centenas de euros. Mas é preciso ter cuidado e fazer as contas antes de aceitar mudar.

Inspiradas na época pré-crise, atualmente no mercado há já várias campanhas - como  por exemplo do BCP, Bankinter e Banco CTT - em que s instituições financeiras isentam determinados custos de processo ou se comprometem a assegurar as despesas que os clientes enfrentam quando decidem transferir os empréstimos da casa de um banco para outro, em busca de spreads mais vantajosos, segundo conta o ECO.

“Na verdade não é nada de novo, se compararmos com o que já aconteceu no passado”, explica citado pelo diário Filipe Garcia, economista da IMF, salientando que “é a evolução natural da concorrência neste mercado e que mostra que os bancos estão interessados em ter crédito hipotecário“.

Poupanças de centenas de euros

No bolso dos clientes essa estratégia pode valer poupanças na ordem das centenas de euros. As regras determinam a cobrança de uma comissão de transferência do crédito de até 0,5% do valor do capital a transferir, no caso do crédito de taxa variável, e de até 2% no caso dos empréstimos de taxa fixa.

Assumindo o exemplo de um crédito em que ainda falta abater 50 mil euros de capital, o custo da mudança poderá de acordo com o jornal chegar até aos 250 euros no caso da taxa variável. Na taxa fixa, assumindo o mesmo capital, o encargo pode atingir os mil euros.

Quando compensa transferir o empréstimo da casa?

Reduzir encargos é a “desculpa perfeita” para transferir um crédito de banco num contexto de descida de spreads. Mas tal pode nem sempre ser verdade.

“As pessoas devem fazer as suas contas com cuidado e perceber se realmente ficam a ganhar”, aconselha Filipe Garcia. “Têm de olhar para os indexantes, spread, condições contratuais a que se obrigam, seguros, etc”, aponta o economista, alertando que há uma outra dimensão que deve ser analisada. Nomeadamente, se a oferta global dos produtos e serviços do banco é “satisfatória”.

A mudança de banco é, tal como indica o ECO, uma opção que deve ser ponderada caso a caso, mas para Filipe Garcia é mais acertada para famílias que contraíram empréstimos há mais de 18 meses, que devem verificar se podem melhorar as suas condições, nomeadamente de spread. Antes de mudar, contudo, faz sentido apresentar o caso ao banco atual, recomenda.

As ofertas dos bancos

  • BCP paga 0,5% a partir de 50 mil euros

O banco liderado por Miguel Maya comparticipa as despesas associadas à liquidação antecipada correspondente a 0,5% do capital do crédito à habitação transferido, em empréstimos cujo montante da operação seja superior a 50 mil euros e o prazo superior a dez anos. E isenta as comissões de dossier, avaliação e formalização, bem como as despesas do contrato de mútuo com hipoteca do crédito à habitação transferido, quando celebrado por Documento Particular Autenticado.

  • Bankinter suporta entre 0,5 e 1,25% das despesas

A solução do banco espanhol em Portugal prevê o suporte dos custos de transferência, entre 0,5% e 1,25%, sobre o valor do crédito transferido, sendo que o valor será reembolsado na conta à ordem do cliente, após a formalização do crédito. Há ainda a possibilidade de o cliente beneficiar da isenção das comissões iniciais do crédito.

  • Banco CTT assume 0,5%

O banco dos Correios assume sempre 0,5% do montante do crédito transferido, em financiamentos acima de 50 mil euros. Compromete-se ainda a reembolsar as comissões de abertura de processo e formalização, após contratação do crédito. Em créditos com capital acima de 100 mil euros, o banco assume ainda as despesas de avaliação do imóvel e paga os custos notariais com a formalização do crédito (escritura).