Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Família Azevedo volta a ser das mais ricas de Portugal

Exame
Exame
Autor: Redação

A riqueza conjunta das 25 famílias portuguesas mais afortunadas representa perto de 10% do PIB nacional, ascendendo a cerca de 17,9 mil milhões de euros, segundo a revista Exame, que pelo 15º ano consecutivo publica a lista dos mais ricos do país. Numa tabela liderada pelos herdeiros de Américo Amorim, e com Alexandre Soares dos Santos na segunda posição, uma das novidades deste ano é a reconquista de um lugar no pódio por parte dos herdeiros de Belmiro de Azevedo, que remetem para o quarto posto a família Guimarães de Mello, liderada por Vasco de Mello.

Segundo escreve a revista na edição de agosto, agora nas bancas, já em 2004 lá estavam os Mello, os Violas, os Azevedo, os Amorim, os Alves Ribeiro, entre muitos outros membros de impérios familiares, com décadas de caminho feito.

E os mais ricos têm, afinal, agora mais dinheiro do que tinham então, com uma profundíssima crise económica e financeira pelo caminho? A resposta é sim, segundo a publicação mensal.

Os dez mais ricos em 2004, numa tabela na altura liderada por Belmiro de Azevedo, tinham um valor de pouco mais de cinco mil milhões de euros; os dez mais ricos de 2018 têm mais do dobro: 12,8 mil milhões de euros.

No entanto, ao sermos mais exaustivos na comparação, a esse valor de 2004 devemos aplicar a inflação, chegando a um número não muito diferente, 6,1 mil milhões. Ou seja: podemos afirmar que, nos 15 anos que levamos de estudo deste fenómeno, a fortuna conjunta dos 10 maiores milionários mais do que duplicou.