Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

A ascensão improvável do Pastel de Nata, que está a conquistar o mundo

Bloomberg
Bloomberg
Autor: Redação

É uma das iguarias nacionais mais conhecidas no país. Mas a fama do Pastel de Nata, que foi inventado há séculos no Mosteiro de Belém por membros do clero, está a ganhar adeptos além-fronteiras, estando mesmo a tornar-se num fenómeno internacional e ganhar o estatuto de marca global. Já está à venda em cafés e supermercados desde Manhattan (Nova Iorque/EUA) a Singapura. 

Uma sobremesa improvável está a caminho de se tornar tão omnipresente quanto o croissant”, escreve a Bloomberg, que se desfaz em elogios ao Pastel de Nata, num artigo em que aborda a ascensão improvável da iguaria. 

De acordo com a publicação, em Portugal, o doce custa cerca de um euro, mas em Londres (Reino Unido) pode custar três libras (3,45 euros). E mais: em 2018, o supermercado Lidl gabou-se de vender 2.000 pastéis de nata numa hora no Reino Unido.

A fama do Pastel de Nata também já chegou a Manhattan. O chef George Mendes apresentou a sobremesa há ano e meio no seu premiado restaurante Aldea e diz-se surpreendido com a ascensão meteórica do doce. “É suposto ser comido com as mãos e de preferência com um café”, diz, salientando que muitas vezes tem de dar esta explicação aos clientes. O chefe revela que descobriu o Pastel de Nata em Danbury, no Connecticut, onde cresceu e onde há uma comunidade portuguesa. 

Não é claro o que levou ao ‘boom’ do Pastel de Nata, mas a Bloomberg dá uma pista, considerando que há uma fonte de promoção mais improvável: uma pequena empesa chamada Nata Pura, que procurou fazer com o Pastel de Nata o que a Dunkin Donuts fez com os donuts. 

“A Nata Pura não foi a primeira a tentar exportar o bolo, mas foi a primeira a fazê-lo de forma tão metódica”, disse Susana Costa e Silva, que ensina a estratégia da empresa como “case study” na Universidade Católica em  Portugal. A pequena empresa - tinha apenas cinco funcionários em 2017 - contratou profissionais de marketing e ‘branding’ e encontrou parceiros estrangeiros para ajudar a impulsionar a expansão.

Segundo a Bloomberg, a empresa vende atualmente cerca de 500 mil pastéis de nata por mês nas suas 5 mil lojas espalhadas pelo mundo.