Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Portugal no top 20 dos melhores países para viver

Deloitte
Deloitte
Autor: Redação

Portugal ocupa o 18º lugar no Índice de Progresso Social 2019, tendo subido seis lugares face ao ranking do ano passado. Encontra-se à frente de países como EUA, Bélgica e Áustria e destaca-se pela positiva nas categorias Direitos Pessoais (2ª posição) e Inclusão (10ª posição). Noruega, Dinamarca e Suíça, por esta ordem, completam o pódio.

Em causa está o Índice de Progresso Social 2019, um ranking que é desenvolvido pela uma organização norte-americana sem fins lucrativos Social Progress Imperative e que conta com o apoio da Deloitte. Classifica a performance social de 149 países ao longo de seis anos (2014-2019), analisando 51 indicadores, entre os quais se inclui a Nutrição, Habitação, Segurança, Educação, Saúde, Direitos Humanos e Inclusão.

“A nível global houve uma melhoria geral do progresso social no mundo, apesar do declínio a que se tem assistido desde 2014 no indicador de Direitos Pessoais, onde se inclui, por exemplo, a liberdade de expressão, de religião ou o acesso à justiça”, refere a Deloitte em comunicado.

De referir que Portugal tem um alto desempenho a nível global nas categorias de Direitos Pessoais (2º lugar) e Inclusão (10º lugar). Já o menor desempenho foi registado nas áreas de Acesso ao Ensino Superior e Cuidados Médicos Básicos (24º lugar) e Acesso a Conhecimento Básico (30º Lugar).

O ranking é dominado pelos países nórdicos, sendo que os EUA – ocupam o 26º lugar, atrás da Estónia e à frente do Chipre – são um dos quatro países analisados onde se assiste a uma regressão do progresso social desde 2014, a par do Brasil, Nicarágua e Sudão do Sul.

No grupo de 15 países com um PIB semelhante, Portugal ocupa o 3º lugar, destacando-se pelo seu elevado desempenho nos indicadores de Direitos Pessoais e de Inclusão, onde se analisa, por exemplo, o grau de discriminação em relação a minorias e a igualdade de género no poder político.

Portugal tem revelado, ao longo dos últimos seis anos, uma tendência positiva com um desempenho superior ao expectável de acordo com o PIB nacional”, refere Carlos Cruz, sócio da Deloitte, citado no documento. 

“O trabalho que tem sido desenvolvido pela Social Progress Imperative, a que a Deloitte se tem associado a nível global, tem tido um papel relevante no mapeamento das tendências sociais a nível global, nacional e regional, fornecendo dados importantes para o delinear de estratégias de desenvolvimento socioeconómico por parte dos governos, empresas ou instituições. O trabalho conjunto de todos é importante para que os números da próxima edição do Índice de Progresso Social possam ser melhores, quer a nível global, quer nacional”, acrescenta.