Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Uma poupança chamada subsídio de Natal

Há menos portugueses a pensar gastar a totalidade do subsídio de Natal este ano.

Photo by Ben White on Unsplash
Photo by Ben White on Unsplash
Autor: Redação

O Natal está a chegar, o que significa (também) que é altura de muitas pessoas receberem o subsídio de Natal. Este ano, 24% dos portugueses tem a intenção de gastar pelo menos 50% do subsídio, um valor 3% inferior ao verificado no ano passado. Já 32% dos inquiridos indica que não o vai gastar de todo. Esta é uma das conclusões do estudo Observador Cetelem Natal 2019.

Segundo o mesmo – foi realizado pela empresa de estudos de mercado Nielsen e teve por base uma amostra representativa de 600 inquiridos de ambos os sexos e com idades entre 18 e 74 anos –, a maior diferença face ao ano passado é a percentagem de pessoas que diz gastar o subsídio de Natal na totalidade: 5% este ano e 11% em 2018.

E será que os portugueses já andam às compras ou pelo contrário, e como vem sendo hábito, irão fazê-las mais perdo do Natal? De acordo com o inquérito, 37% dos inquiridos fará as compras apenas duas semanas antes enquanto 29% admite fazê-lo um mês antes. De referir que apenas 4% faz compras de última hora, ou seja, um ou dois dias antes do Natal.

“Este ano, 98% dos portugueses deverão celebrar o Natal, face aos 90% em 2018. Além de mais festivos, os portugueses revelam-se mais caseiros nesta época, com 96% a passarem a quadra natalícia em casa: em 2018 eram 89%. Pouco mais de metade dos portugueses passarão o Natal na própria casa (58%), no entanto alguns repartem o evento entre a sua casa e a de familiares, uma vez que 51% indicam que também tencionam passar o Natal em casa de familiares, seja a véspera ou o dia de Natal. Apenas 4% dos inquiridos diz passar a quadra natalícia fora, face a 1% em 2018”, conclui o estudo. 

Curioso é o facto de 75% dos inquiridos referir que vai celebrar a época com o agregado familiar, menos 3% que há um ano. De acordo com o estudo, mais de metade dos inquiridos (57%) celebra também com outros familiares além do agregado (mais 14% face ao ano passado) e apenas 7% diz celebrar com os amigos.