Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Santo António em Lisboa: arraiais proibidos e restrições à circulação

PSP vai estar no terreno até domingo, dia 13 de junho. Contamos-te as principais operações e regras de segurança que vão estar em vigor nas festas populares.

Santos populares
Flickr/Creative commons
Autor: Redação

Pelo segundo ano consecutivo, os Santos Populares não vão contar com os tradicionais arraiais pelas ruas e bairros de Lisboa. Este é um momento alto na cidade e, por isso mesmo, é também considerado um evento de “risco muito alto” de contágio do novo coronavírus. Para evitar a aglomeração de pessoas nestes Santos Populares, a Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Polícia Municipal apresentaram um plano de operações que entrou em ação esta quarta-feira (dia 9 de junho). A PSP vai estar no terreno até domingo (13 de junho de 2021), Dia de Santo António, o santo padroeiro da cidade de Lisboa.

Tudo isto para evitar que a situação epidemiológica no município de Lisboa se agrave ainda mais. Note-se que o número de casos na capital excedeu o limite de 120 mil por cada 100 mil habitantes o que colocou Lisboa em situação de alerta e vai impedi-la de avançar para a próxima fase do plano de desconfinamento. Isto é, na próxima segunda-feira, dia 14 de junho, a maioria dos concelhos do país vai voltar a sentir um novo alívio das restrições, mas Lisboa não vai avançar nem recuar, ficando tal e qual como está.

O objetivo das restrições impostas nesta quadra festiva passa precisamente por impedir que Lisboa ultrapasse os 240 casos por 100 mil habitantes, o que implicaria um recuo no plano de desconfinamento, recorda a agência Lusa.

Santo António
Flickr/Creative commons
Mas, afinal, quais são os procedimentos e regras de segurança que vão estar em vigor nos Santos Populares de Lisboa? O idealista/news reuniu os principais:

  • Arraiais estão proibidos: o presidente da Câmara de Lisboa anunciou esta semana que não é permitido fazer arraiais e que as forças policiais estarão atentas às “zonas mais sensíveis” – isto é, junto a restaurantes e coletividades – de forma a “assegurar o cumprimento das normas”;
  • Fogareiros proibidos na via pública;
  • Sair de casa é permitido, mas "as pessoas não devem permanecer na via pública", refere o comissário Ulisses dos Santos citado pelo Observador.
  • Acesso condicionado (rodoviário e pedonal) em alguns bairros lisboetas como Alfama, Madragoa, Bairro Alto, Cais do Sodré e a Avenida 24 de julho;
  • Deslocações para o “coração da cidade” são desaconselhadas no fim de semana. Note-se que estão previstas “fortes restrições” à circulação a partir das 19h de sábado;
  • Zonas de grande afluência e miradouros vão ser ter acesso condicionado com grades e fitas;
  • Operação STOP na Avenida 24 de julho na madrugada de sábado para domingo;
  • Restaurantes e bares vão ser alvo de “fiscalização preventiva” com “função pedagógica”.

Domingos Antunes, superintendente do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, reforça que haverá “um forte empenho policial” sobretudo nos locais “que habitualmente estão conectados com as festividades”. E faz ainda um apelo aos cidadãos para que Lisboa não dê um passo atrás no plano de desconfinamento: “Tem de envolver e exige a colaboração de todos”, refere, aconselhando ainda que as pessoas devem “evitar sair das suas casas e para não procurar locais em que se reúnam muitas pessoas”.

*Com Lusa