Notícias sobre o mercado imobiliário e economia

Quartel do Carmo nos Açores concessionado para turismo

O Quartel do Carmo foi construído no século XVII e está situado num planalto da cidade da Horta / Revive
O Quartel do Carmo foi construído no século XVII e está situado num planalto da cidade da Horta / Revive
Autor: Redação

O Quartel do Carmo, na cidade da Horta, na ilha do Faial (Açores), poderá ser concessionado por 50 anos para fins turísticos a privados em breve. Em causa está o 12º concurso público do programa Revive, que foi lançado dia 7 de dezembro de 2018. Os investidores interessados têm 90 dias para apresentarem propostas.

“O Revive continua a afirmar-se como um programa eficaz para devolver aos territórios os imóveis públicos fechados, que podem ser instrumentos de atração de investimento e dinamização económica. A recuperação do Quartel do Carmo no âmbito do Revive vai ser um importante fator de geração de riqueza e de criação de postos de trabalho”, disse a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, citada pela Lusa.

Construído no século XVII como Convento da Ordem dos Carmelitas, o Quartel do Carmo, situado num planalto da cidade da Horta, foi adaptado no século XX ao uso militar para acolher a Companhia de Infantaria da Horta. 

Para a secretária de Estado da Cultura, Ângela Ferreira, o concurso vai assegurar a “preservação de elementos arquitetónicos que ainda se mantêm desde a sua origem, nomeadamente, algumas arcadas e abóbodas de berço, fundamentais no conjunto do edifício”. Trata-se de um “imóvel de enorme potencial e localização privilegiada” que “contribuirá para a valorização cultural da região”, acrescentou.

Este é o 12º concurso a ser lançado no âmbito do programa Revive, promovido pelos ministérios da Economia, Cultura e Finanças, em colaboração com as autarquias locais, que conta já com 33 imóveis inscritos. Atualmente, estão abertos os concursos para a concessão da Casa de Marrocos, em Idanha-a-Velha, do Mosteiro de Santo António dos Capuchos, em Leiria, do Mosteiro de Arouca e do Convento de São Francisco, em Portalegre.

Apoios a fundo perdido trazem novos projetos aos Açores

Entretanto, e segundo escreve o Expresso, o Governo dos Açores vai pôr à venda em 2019 alguns projetos turísticos, entre eles os campos de golfe das Furnas e da Batalha. Os compradores poderão beneficiar de apoios a fundo perdido que no limite atingem 65% do investimento e um valor máximo de 15 milhões de euros.

Falar dos Açores hoje é falar de uma terra de oportunidades, com um dos mais atrativos sistemas de incentivos da União Europeia”, disse Vítor Fraga, presidente da Sociedade Empresarial dos Açores (SDEA), citado pela publicação. 

Segundo o responsável, o arquipélago beneficia de um regime próprio de apoios comunitários (o PO Açores 2020) e definiu como setores estratégicos para atrair investimentos em condições mais atrativas (ao abrigo do programa Competir+) o turismo, o agroalimentar a economia do mar e as tecnologias.